O País – A verdade como notícia

Dinis Sengulane e Carlos Matsinhe descrevem Tutu como um líder humanista

Foto: O País

O Bispo Emérito da Diocese dos Libombos, Dom Dinis Sengulane, diz que o mundo e a Igreja não perderam com a morte do Arcebispo sul-africano, Desmond Tutu, mas sim ganharam um santo. Já o Bispo da Diocese dos Libombos e Presidente interino da Igreja Anglicana em Moçambique e Angola, Dom Carlos Matsinhe, diz que Desmond Tutu vai inspirar futuras gerações na luta contra injustiças e pela paz.

Domingo começou com uma notícia negativa para o mundo, no geral, e, particularmente, para os fiéis da Igreja Anglicana. Mesmo sabendo da doença que acometia o Arcebispo sul-africano, Desmond Tutu, ninguém pensava que o líder espiritual e Nobel da Paz estivesse nos seus últimos dias.

Na manhã de domingo, a morte de Desmond Tutu foi, como quem diz, a notícia do dia. Nas redes sociais, o assunto viralizou até que fosse divulgado pelos canais de comunicação tradicionais. Estava confirmado: Morreu Desmond Tutu, vítima de doença.

Reagindo à morte do líder religioso, Dom Dinis Sengulane, aponta a luta contra o apartheid como um dos legados que Desmond Tutu deixa ao mundo a família anglicana.

O Bispo Emérito lembrou-se das vezes que teve contacto com o falecido arcebispo anglicano, descrevendo-o como uma pessoa simples e afável, humanista, virtudes que o levaram ao Prémio Nobel da Paz, em 1984.

“O Arcebispo Tutu foi uma oferta preciosa de Deus para a humanidade. Não só como uma pessoa que se preocupou com o povo sul-africano. Ele foi capaz de transmitir a sua preocupação de busca pela paz para outras partes da África Austral, em particular, e o mundo, em geral”, afirmou Dom Dinis Sengulane, tendo depois considerado que o mundo ganhou um santo.

‟Não vamos dizer que a igreja perdeu um grande líder, mas sim ela ganhou um santo. A igreja ganhou alguém que, ao chegar ao trono celeste, será iluminado por meio da palavra que diz:  bom é servo fiel, entra no gozo de Deus, Senhor”, fez o voto Dom Dinis Sengulane.

O Arcebispo Desmond Tutu vai inspirar futuras gerações na luta pela igualdade e contra injustiças, considera o Bispo da Diocese dos Libombos, Dom Carlos Matsinhe, referindo que o líder espiritual foi importante para a edificação da Igreja na África Austral.

‟Perdemos uma pessoa que trouxe mudança no mundo religioso e na esfera sociopolítica na região da África Austral. O legado do Arcebispo Desmond Tutu vai inspirar as sociedades na luta contra as desigualdades”, apontou Dom Carlos Matsinhe.

Tutu usou o seu papel de destaque na Igreja Anglicana para denunciar a situação dos negros sul-africanos. Na década de 1980, o líder religioso tornou-se a face do movimento contra apartheid no exterior, enquanto muitos dos líderes do Congresso Nacional Africano (ANC), como Nelson Mandela, estavam ainda presos.

Desmond Mpilo Tutu nasceu na cidade de Klerksdorp em 7 de Outubro de 1931. Tutu foi o primeiro negro a ocupar o cargo de Arcebispo da Cidade do Cabo, tendo sido também o representante da Igreja Anglicana na África Austral entre 1986 e 1996.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos