O País – A verdade como notícia

Zainadine Jr. e Clésio regressam às vitórias

Fotos: CSM

Num duelo em que Zainadine Jr foi totalista e Clésio Baúque não saiu do banco, o Marítimo goleou, sábado, o Boavista (4-0) em jogo da 30ª jornada da  I Liga. Zainadine esteve em bom plano, tendo anulado as unidades mais adiantadas do Boavista. Com este triunfo, o conjunto dos internacionais moçambicanos subiu ao sétimo lugar com 36 pontos. E tem, praticamente, garantida a manutenção no primeiro escalão do futebol moçambicano.

Nesta partida, o treinador do Marítimo, Vasco Seabra, promoveu alterações no “onze”. Henrique rendeu Vidigal, Edgar Costa recuperou a primazia entre os titulares, assim como Xadas. Rafik regressou ao banco após muitos jogos como titular. O jovem Miguel Sousa, depois de vários jogos no “onze”, também reforçou as opções de Seabra no banco de suplentes.

Os primeiros dez minutos decorreram sob o signo da prudência, com as equipas a procurarem auscultar o adversário. O Marítimo demonstrou a ambição de assumir as rédeas e empurrou o Boavista para o seu meio-campo defensivo, forçando faltas consecutivas. Sebastien Perez foi o primeiro contemplado com um amarelo, após falta dura sobre o capitão Edgar Costa.

Joel, aos 20 minutos, também viu o amarelo após bola dividida, pelo chão. Após 20 minutos de jogo, nenhuma ocasião flagrante na partida. Pouco depois, o Boavista esteve perto de marcar, mas o lance foi anulado por fora-de-jogo. De qualquer maneira, o incrível corte de Zainadine não teria permitido aos axadrezados festejar.

Ficou o alerta da equipa orientada por Petit. Aos 31, e a confirmar a abnegação de ambas as equipas, foi a vez de Vítor Costa ver o amarelo, depois de falta mais dura. Igualdade de critérios disciplinares por parte de Gustavo Correia, árbitro que pecou pouco depois, ao deixar jogar no seguimento de falta claríssima sobre Winck. O Caldeirão reagiu com contestação legítima. Winck ficou incrédulo. Insistiu o Marítimo.

Boa combinação entre Henrique e Vítor Costa pelo flanco esquerdo, com o lateral a cruzar para a área. Joel falhou o cabeceamento e apareceu Xadas. Em boa posição, o golpe de cabeça saiu muito ao lado. Nesta fase, carbura muito o Marítimo pelos flancos. Winck, em nova arrancada, cruzou para a área e apareceu o corte do defensor. Aumentava a intensidade na disputa de cada bola e foi Henrique, desta vez, a sofrer entrada faltosa, mas sem sanção disciplinar para os forasteiros.

Livre para o Marítimo, combinação primorosa entre Edgar e Xadas, com o esquerdino a cruzar para a área. Bracali socou mal, a bola sobrou para Zainadine que rematou com selo de golo. Sobre a linha, os axadrezados evitaram, numa primeira instância, a festa verde-rubra, mas já nada puderam fazer contra o desvio, à boca da baliza, de Matheus Costa. Golo do Marítimo. Faiscava o Caldeirão, ávido de conquistas. Matheus Costa assinou o seu quinto golo na temporada. Empolgados, os Leões do Almirante Reis buscavam o segundo golo ainda antes do intervalo. Winck, em nova cavalgada, voltou a ser vítima de falta.

Desta vez, Gustavo Correia interveio e mostrou o inevitável cartão amarelo ao defensor axadrezado. O Boavista tremia e tinha razões para isso. Cobrado o livre, Xadas esgueira-se pela direita e, com o pé direito, coloca a redondinha ao segundo poste. Cruel, Joel não perdoou, não obstante a oposição de vários adversários. Impetuoso e audaz o avançado verde-rubro Golo do Marítimo em cima do intervalo. Vantagem justa de 2 golos.

O Marítimo regressou à segunda parte sem alterações. Os primeiros 10 minutos viram um Marítimo a consentir mais posse de bola ao Boavista, sempre sem permitir veleidades aos homens do Bessa. Em campo, o Marítimo explorava brechas e, numa variação da esquerda para o centro, Henrique encontrou Joel. Já na área, o camaronês rodou e foi travado em falta. Grande penalidade para o Marítimo. Joel, na cobrança, voltou a ser cruel. 3-0. No minuto 69, Joel fixou o resultado final em 4-0.

 

GENNY CATAMO GOLEIA PAÇOS DE FERREIRA

Genny Catamo foi lançado aos 87 minutos na vitória, sexta-feira, goleada imposta pelo Guimarães ao Paços de Ferreira, por 4-0, em desafio inserido na jornada 30 da I Liga. Catamo entrou para o lugar de Ruben Lamerias, autor de um dos golos dos vimaranenses que reforçaram o sexto lugar na tabela classificativa.

Tiago Silva, aos seis minutos, de grande penalidade, inaugurou o marcador, após falta de Maracás sobre Bruno Duarte. André Ferreira ainda adivinhou o lado do remate de Tiago Silva, mas não conseguiu evitar o golo do vimaranense.

Bruno Duarte, aos 45 fez o 2-0, num lance em que saltou mais alto que todos e desviou, com sucesso, um centro de Rafa Soares.

Aos 67, Bruno Duarte bisou na partida, na recarga a  uma grande penalidade desperdiçado por André Almeida. O lance nasce de uma falta de Luiz Carlos na área pacense. O jogador dos Castores viu amarelo, o segundo no encontro, e foi expulso.

Rúben Lameiras, aos 86, em novo castigo máximo, fechou as contas do jogo e confirmou a goleada dos de Pepa.  Inicialmente, Hélder Malheiro deixou o jogo seguir, mas, depois de avisado pelo VAR, foi ver um lance de possível mão de Uilton na área e marcou grande penalidade, o terceiro do encontro, todos contra o Paços.

O equilíbrio foi a nota dominante entre Estrela da Amadora e Nacional, que empataram (0-0) em jogo da 30.ª jornada da Liga SABSEG, aumentando para cinco os jogos dos amadorenses sem vencer.

O Estrela da Amadora, que tem realizado um campeonato tranquilo e a salvo da luta pela manutenção (apesar de ainda não estar matematicamente assegurada), recebia na Reboleira um Nacional com esperanças de lutar pela subida à Liga Bwin, ainda que ténues, em função do atraso pontual para a restante concorrência nos lugares cimeiros.

Nesse sentido, os madeirenses conseguiram criar uma situação perigosa aos cinco minutos, quando uma saída arrojada de Gonçalo Tabuaço, perante Danilovic, evitou males maiores para a equipa da casa, que, ainda assim, assumiria a iniciativa do restante encontro.

 

WITI COMPROMETE SUBIDA À I LIGA

O Nacional da Madeira, conjunto no qual evolui o internacional moçambicano Witiness Quembo, empatou a zero, sábado, com o Estrela da Amadora, no José Gomes, na Reboleira, em partida da 30.ª jornada da Liga 2.

Com este resultado, a equipa do esquerdino soma 45 pontos, ocupando o sexto lugar, já sem hipóteses de aspirar à subida à I Liga.

A primeira parte contou com algumas quebras de ritmo, motivadas por uma lesão muscular para cada lado – Tipote para o Estrela da Amadora e Rúben Freitas para o Nacional – e registaria mais uma situação de finalização para cada lado até ao intervalo: Madson ainda criou sensação de golo num livre directo, aos 17 minutos, e João Camacho atirou perto do poste esquerdo, aos 40.

O segundo tempo seguiu o caminho do primeiro, muito equilibrado e sem particulares motivos de interesse. Ainda assim, o Estrela criou sempre mais riscos no objectivo de abrir o marcador e ficou perto de o fazer por Paulinho, que, aos 77 minutos, proporcionou uma boa defesa a Vagner.

No restante tempo, e apesar dos esforços dos locais em chegar ao golo da vitória, a defesa insular mostrou-se à altura, segurando, assim, um nulo que não agradará particularmente a qualquer um dos conjuntos.

O Estrela, 13.º classificado, passou a somar 36 pontos, mais oito que o Trofense, que ocupa o lugar de “play-off” de manutenção.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos