O País – A verdade como notícia

Voo do canário nas afrotaças comprometido por falta de competições

O Costa do Sol diz não ter grandes soluções para garantir rodagem dos seus jogadores para atacar a Liga dos Campeões Africanos, cujos primeiros jogos estão previstos para meados do próximo mês. Os “canarinhos” esperam pelo arranque do Moçambola para preparar a equipa para a competição continental.

Na qualidade de campeão nacional da edição passada do Moçambola, o Costa do Sol é representante de Moçambique na Liga dos Campeões Africanos, cuja primeira eliminatória está prevista entre os dias 20 a 22 de Novembro. A preparação, essa, está a ser a “pé chochinho”, pese embora esteja já numa fase que permite trabalhar com todo plantel junto.

Horácio Gonçalves, treinador da equipa diz que “estamos a fazer a melhor preparação possível, cumprindo todas directrizes da Direcção Geral da Saúde. Passamos as três fases que foi obrigado e agora estamos numa fase que nos permite trabalhar com outro tipo de actividade”. Entretanto,

Não obstante a CAF não ter feito o sorteio de jogos, o Costa do Sol entende que poderá entrar para a competição em desvantagem, já que não tem jogos nos pés, mas não deixa de alimentar esperanças. “Estamos ansiosos para que aconteçam os jogos das afrotaças porque queremos trabalhar de forma a conseguir vencer e ultrapassar adversários. Mas como disse, neste momento estamos a trabalhar bem e o que podemos fazer é aguardar pelos jogos, esperando que cheguem mais jogadores, aqueles que devem representar o Costa do Sol para estarmos com o plantel completo, para atacarmos a Liga dos Campeões, que é o mais importante, neste momento”, disse Horácio Gonçalves.

Aliás, o técnico português lamenta o facto de não poder realizar jogos de controlo, até porque as condições sanitárias não permitem nem a organização de um torneio quadrangular. “O que estamos a fazer é simular, mesmo sabendo que em alguns países já há competições, mas temos que ultrapassar as dificuldades, temos que ter pensamento positivo, temos que ser resilientes e exemplos de força e determinação e estamos a ter um carácter vencedor, que é o mais importante, para orgulhar Moçambique”, assume o treinador “canarinho”.

Para já, Gonçalves aguarda a chegada de mais jogadores para reforçarem o plantel, para melhor atacar a prova milionária africana.

 

“Vai ser difícil defrontar quem já tem jogos nos pés”

Mesmo com o nível de esperança que existe no grupo de trabalho, Artur Faria, director desportivo do clube, antevê jogos difíceis na Liga dos Campeões. Faria diz mesmo que “é praticamente impossível realizarmos jogos ou torneios amigáveis. Sabemos que há regras que temos que cumprir e o que estamos a fazer é trabalhar dentro das nossas possibilidades. Partimos em desvantagem em relação a outros países que já iniciaram as competições e nós só estamos a treinar e não sabemos em que ponto e nível estamos. Vai ser muito difícil irmos para esta competição e enfrentar adversários que já têm muitos jogos nos pés”, lamentou.

Em termos organizacionais, as primeiras eliminatórias das afrotaças podem ser realizadas no próprio ninho do canário, sendo obrigatório o uso de um campo mais melhorado apenas quando chegar à fase de grupos.

Por isso mesmo Artur Faria mostra-se confiante na disputa dessa pré-eliminatória no campo do Costa do Sol, até porque “estamos a fazer melhorias no nosso campo desde o ano passado e estamos a trabalhar para conseguir fazer, pelo menos a primeira eliminatória no nosso campo”.

Horácio Gonçalves trabalha neste momento com 21 jogadores, na expectativa de ter mais cinco, dos quais três estrangeiros e dois nacionais, cujos nomes e clubes de onde vem, mantém-se no segredo dos deuses.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos