O País – A verdade como notícia

Vítimas de inundações na Matola já estão a ser reassentadas

Foto: O País

Centenas de famílias do Município da Matola, na Província de Maputo, continuam a viver em casas alagadas e algumas delas já estão a ser reassentadas pela edilidade em zonas seguras.

Cristiano Munguambe, chefe do quarteirão “15B”, no bairro da Machava, quilómetro 15, no Município da Matola, é uma das pessoas que abandonou a sua casa por conta de água. “Torna-se difícil a vida aqui, muitas famílias já abandonaram as suas casas. Eu saí há cinco anos por causa desta situação”.

Nos últimos dias, a chuva parou pelo menos na Província de Maputo, mas os estragos que deixou estão visíveis.

Na Matola, as ruas deram lugar à vegetação. Vêem-se casas com água nos quintais, o que bloqueou a mobilidade de pessoas e viaturas.  Os moradores dizem que a solução é reassentamento.

“Assim que eles souberem que, para o local de reassentamento é definitivo e vou negar por quê? Vou viver na lona assim mesmo e, se não morrer, vou reerguer a minha vida”, disse, em desespero, Iolanda Alexandre.

Aniceto Chichongue, também assolado pela chuva, avança uma solução. “Para mim, o reassentamento seria melhor; é verdade que, antes de transferir as pessoas, seria bom que o Município abrisse valas para escoar a água da chuva”.

O Município da Matola já identificou 60 famílias para serem retiradas daquele local e, de seguida, demolir as casas para manter a bacia de retenção de água. Destas, metade é que aceitou ser transferida, outras que negam alegam ter muitos investimentos.

“O que está assegurado para as 15 famílias são talhões com dimensões de 15/30m e estamos a trabalhar para identificar outros espaços para o grupo de 18 famílias que também está contemplado neste plano. Estamos a trabalhar com outras instituições, sobretudo o Instituto Nacional de Gestão e Redução do Risco de Desastres (INGD) para alocação de lonas de abrigo e também outros intervenientes, de modo a criarmos as condições necessárias e indispensáveis para a continuidade da vida destas pessoas” esclareceu Firmino Guambe porta-voz do Conselho Municipal da Matola.

Cristiano Munguambe deslocou-se até Siduava e visitou o local onde será reassentado e disse que dará um novo alento à vida.

O desafio para as autoridades municipais da Matola será de prover água potável àquela comunidade reassentada, bem como alocar energia eléctrica, uma vez que a rede de alta e média tensão passa pelas proximidades.

Num dos corredores de acesso àquela zona já estão em funcionamento escolas, centro de saúde e um posto policial, além de outras infra-estruturas de interesse económico. Há que anotar, igualmente, que as autoridades municipais são desafiadas a pavimentar uma das principais vias de acesso àquela nova zona residencial.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos