O País – A verdade como notícia

Violência contra mulher ainda é pouco denunciada em Moçambique

A violência contra mulher e rapariga é um dos “crimes mais graves”, porém menos denunciado. Segundo uma pesquisa da Universidade Eduardo Mondlane e a ONU Mulheres, o fenómeno é considerado normal em muitas famílias e os que o promovem “nunca se assumem culpados”.

O estudo abrangeu 1.750 mulheres e raparigas com idade mínima de 15 anos, nas províncias de Gaza, Sofala e Nampula.

De acordo com o relatório do inquérito, 45.5% das mulheres revelaram ter sofrido violência física, psicológica, económica e sexual. Outras 55.5% afirmam nunca terem sido submetidas a qualquer tipo de violência.

Sofala regista maiores taxas de violência contra mulheres e raparigas. Gaza e Nampula estão em segundo e terceiro lugar, respectivamente.

As vítimas revelaram o drama, relatando episódios em que foram esbofeteadas ou atiradas com algum objecto, o que resultou em hematomas, ferimentos ligeiros ou graves, entorses, queimaduras ou aborto.

Como possíveis razões do problema, o estudo refere que as mulheres violentadas enfrentam um “conjunto de complexidades sociais e culturais. Os mecanismos legais são tão complexos e morosos”, o que faz com que as vítimas se sintam “intimidadas e incapazes de pedir ajuda de modo a exercerem os seus direitos à vida e à integridade física”.

Ainda que entendam que a violência contra si constitui um “crime sério e perigoso”, há desconhecimento da lei e de outros mecanismos a que possam recorrer para se protegerem, de acordo com a pesquisa levada a cabo pela Universidade Eduardo Mondlane e a ONU Mulheres.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos