O País – A verdade como notícia

“Universitários” e “canarinhos” obrigados a vencer

A Liga Moçambicana de Basquetebol Mozal entra amanhã na fase decisiva com a disputa do segundo jogo das meias finais a melhor de três a decorrer na catedral do basquetebol moçambicano, o pavilhão do Maxaquene. No primeiro desafio da ronda, o Ferroviário de Maputo “despachou” o Costa do Sol por 99-56, enquanto o Ferroviário da Beira venceu a A Politécnica por 67-65.

Que venha o segundo jogo!
No segundo jogo das meias-finais a realizar-se amanhã o conjunto comandado por Miguel Guambe terá uma palavra a dizer, até porque foi a única equipa na fase regular da Liga Moçambicana de Basquetebol Mozal a vencer os actuais campeões nacionais, o Ferroviário de Maputo.

Com um dos plantéis mais invejados da prova, até porque teve de investir para aquisição de novos atletas, os locomotivas da capital do país querem resolver o mais rápido possível a eliminatória. Aliás, após o término do primeiro jogo diante do Costa do Sol pelos expressivos 99-56, Custódio Muchate, capitão dos locomotivas foi claro nas suas primeiras declarações: “Que venha o segundo”. Uma verdadeira afronta ao seu adversário.

Mas é preciso relembrar alguns episódios do primeiro jogo. A entrada para o embate das meias-finais se esperava um Costa do Sol bastante lutador, mas para o espanto de todos, os canários não tiveram argumentos suficientes para criar um desequilíbrio ao seu oponente.

Diz um velho ditado que “a esperança é a última a morrer” e para tal o Costa do Sol deve reerguer-se e provar com A+B que a vitória na fase regular diante dos campeões nacionais não foi um acidente de percurso. Atletas como Sérgio Andrade, Daniel Mavure e Ayade Marques, este último peça fundamental na classificação do seu conjunto para esta fase da prova terão de se impor para continuar a sonhar com um lugar na final a ter lugar na cidade da Beira. Fora aos valores individuais, o conjunto de Miguel Guambe tem a vantagem de ser equilibrado em várias posições.

Já os locomotivas deverão contar com os préstimos do experiente Custódio Muchate, Ermelindo Novela, Edson Monjane, dos espanhóis Álvaro Manso e Sérgio Delafonte – atleta que terminou o jogo passado com os significativos 25 pontos, depois de ter estado em quadra durante apenas os três primeiros quartos.

É preciso aproveitar as oportunidades!

Desperdício em cima de desperdício caracterizou os “universitários” no jogo de abertura das meias-finais diante de um Ferroviário da Beira pouco esclarecido durante a maior parte do embate. Aliás os locomotivas do Chiveve, equipa com maturidade inquestionável, inexplicavelmente ia cometendo alguns erros a que poucas vezes nos habituou, como por exemplo a perda de muitos ressaltos defensivos.

Após perder por uma margem mínima de dois pontos, 67-65, num jogo onde podia ter empatado nos minutos finais e levado o mesmo para a prorrogação. No entanto, o tiro curto de Francisco Braga não foi eficiente no último lance da partida. Vitória apertada da turma comandada por Nazir Salé, que faz sonhar com a repetição da final da edição passada do nacional de basquetebol diante do seu homónimo de Maputo.

A A Politécnica tem a missão de entrar no jogo desta sexta-feira na sua máxima força para contrariar os objectivos do vice-campeão nacional.

Actualmente considerada a terceira melhor equipa ao nível dos seniores masculinos no país, os universitários vão ter que se “esmerar” dentro da quadra se quiserem disputar a final. E para o público “aaaah” este deverá continuar a deliciar-se com um verdadeiro espectáculo de basquetebol, acompanhado de afundanços à moda Ayade Marques, Octávio Magoliço e do cabo-verdiano Dimitry Coronel entre outros. O “show” de bola ao cesto está marcado para amanhã, às 17h30, no pavilhão do Maxaquene.
 
 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos