O País – A verdade como notícia

Universitários culpam Ordem por não ter acompanhado reprovados

Foi no passado dia 09 de Maio, que a Ordem dos Médicos de Moçambique divulgou os resultados do exame de certificação para medicina geral e dentária, nos quais, de um total de 175 candidatos avaliados em medicina geral, quase metade reprovou. Ontem, três semanas depois, a associação que congrega os estudantes universitários finalistas disse que trabalhou com os reprovados e uma universidade, tendo concluído que a Ordem dos Médicos não desempenhou bem o seu papel.

Os finalistas universitários dizem, mesmo, que a Ordem falhou no acompanhamento dos estudantes reprovados nos testes para o exercício da medicina e que os exames estavam desajustados.

“Há um processo que a Ordem devia ter acompanhado e isto não foi possível e só apareceu na fase final da avaliação desses colegas, reprovando-os sem considerar muitos elementos do processo de formação deste grupo”, disse Osvaldo Mauaie, presidente da Associação dos Estudantes Finalistas Universitários de Moçambique. A agremiação, que junta cerca de sete mil finalistas e recém-graduados, entende ainda que houve falta de coordenação entre as instituições de formação e a Ordem.

“Entendemos que esse desajustamento ou falta de coordenação entre as instituições é que está a trazer este grande problema, que se a Ordem dos Médicos e outras instituições com responsabilidade de avaliar estivessem dentro do processo a acompanhar não teríamos tido uma situação dessa natureza”, conclui. A associação diz que vai aproximar-se ao ministério que tutela o Ensino Superior para pedir esclarecimentos sobre o desfecho da situação.

Graduados não podem exercer medicina sem aprovação da ordem

De acordo com a alínea a) do artigo nove do Estatuto Geral da Ordem dos Médicos, no capítulo dos requisitos para o exercício na medicina em Moçambique, só podem se escrever a este organismo e consequentemente ser médicos: “os moçambicanos licenciados em Medicina ou licenciados em Medicina Dentária, por escola superior moçambicana” e o mesmo se aplica aos graduados moçambicanos em medicina, formados em escolas superiores estrangeiras.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos