O País – A verdade como notícia

UNICEF apela mais doações para ajudar crianças afectadas pela COVID-19

O Fundo das Nações Unidas para a Infância, um órgão das Nações Unidas que tem como objectivo promover a defesa dos direitos das crianças apelou a doações no valor de 1,6 mil milhões de dólares para combater as “consequências económicas devastadoras” da COVID-19 junto das crianças.

Em comunicado divulgado na segunda-feira, a diretora executiva da UNICEF, Henrietta Fore, alertou “a pandemia é uma crise sanitária que está rapidamente a converter-se numa crise dos direitos das crianças”.

Segundo a responsável, com o encerramento das escolas e muitos pais sem trabalho, as famílias estão a sofrer graves carências e a protecção das crianças fica debilitada.

A UNICEF alerta ainda para o acesso a serviços básicos de saúde, que se tornou mais difícil para milhões de crianças, em alguns casos prejudicando igualmente a vacinação habitual, o que pode aumentar de forma significativa a mortalidade infantil.

“Vimos o que a pandemia está a fazer em países com sistemas de saúde desenvolvidos e estamos preocupados com o que fará em países com sistemas mais debilitados e com menos recursos”, lê-se na nota.

A organização alerta que o confinamento também ameaça o bem-estar psicológico de muitas crianças, “sobretudo as mais vulneráveis”.

Em finais de Março, o Fundo das Nações Unidas para a Infância já tinha pedido donativos de mais de 650 milhões de dólares, um valor agora aumentado para perto do triplo, por causa da “subida dramática dos preços” dos bens necessários, segundo a organização.

A organização, até agora, recebeu 215 milhões de dólares para financiar as acções de resposta ao novo Coronavírus, concentrada sobretudo em países já a braços com crises humanitárias e que são por isso mais vulneráveis aos efeitos da pandemia, apontou a organização. Segundo a UNICEF essa verba foi aplicado em campanhas com mensagens de prevenção, que terão chegado a 1,67 mil milhões de pessoas.

Além disso, a organização ajudou 12 milhões de pessoas no acesso a serviços básicos de água, saneamento e higiene, tendo ainda distribuído mais de 6,6 milhões de luvas, 1,3 milhões de máscaras cirúrgicas e 34.500 testes de covid-19, entre outros equipamentos e material de protecção.

Cerca de 80 milhões de crianças beneficiaram de ensino à distância graças à organização humanitária, enquanto 11 milhões de menores e mulheres receberam cuidados de saúde em clínicas apoiadas pela organização, de acordo com a nota.

Segundo a Unicef, 77% da população mundial com menos de 18 anos vive em países com restrições de circulação, em consequência da COVID-19, uma situação que agrava os factores de risco da violência doméstica e abusos infantis.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de COVID-19 já provocou mais de 283 mil mortos e infectou mais de 4,1 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos