O País – A verdade como notícia

Uma semana de trégua para Nhongo sentar à mesa do diálogo

O conflito no centro do país movido pela autoproclamada Junta Militar da Renamo, dirigida por Mariano Nhongo, mereceu especial análise no “retiro vermelho” de Pemba na sexta e sábado, onde mais uma vez, o Presidente da República, ainda que falando num evento partidário, abriu outra oportunidade de diálogo para que os guerrilheiros em causa explorem os mecanismos de comunicação abertos para dialogarem com o Governo.

“Irei instruir as Forças de Defesa e Segurança a partir de amanhã [hoje, 25 de Outubro] num intervalo de uma semana pararem de perseguir a junta (militar), precisamente para darmos a oportunidade à junta para poder voltar ao diálogo como sempre foi o estilo dos moçambicanos. Portanto, não vamos perseguir a junta durante uma semana precisamente para dizer que nós, eu estou aberto, o país está aberto e eles já sabem como estamos a trabalhar – as vias necessárias para ver se nos reencontramos e encontramos a solução para que o problema prevaleça, moçambicanos a matarem outros moçambicanos”.

Mariano Nhongo é a peça-chave para a pacificação de Manica e Sofala, mas tem se mostrado um homem inflexível, como disse em Junho último o enviado especial do secretário-geral das Nações Unidas para o diálogo em Moçambique, Mirko Manzoni, que na altura avançou que todas as tentativas de diálogo tinham redundado num fracasso.

Um guerrilheiro e grande estratega militar, Nhongo foi um operativo de Afonso Dhlakama durante a guerra civil dos 16 anos, e mantinha lealdade até à sua morte, tendo se revelado o rosto da contestação da liderança de Ossufo Momade que passou a presidir a Renamo.

Posicionou-se nas matas, distribuiu homens que fazem ataques contra civis na Estrada Nacional n°1, colocando em causa a livre circulação de pessoas e mercadorias. Começou em Junho de 2019 e nunca se conseguiu sentar com ele para o diálogo. Desde as primeiras tentativas, colocou como condição a divulgação de uma suposta carta enviada ao Chefe de Estado com todas as reivindicações que norteiam as suas acções, algo que nunca aconteceu.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos