O País – A verdade como notícia

Uma história sobre o tráfico de escravos

A 13 de Maio de 1888, dois jovens portugueses recebem a notícia do fim da escravatura, no Brasil. Decidem embarcar para Zambézia, em Moçambique, e fazer o seu último negócio de tráfico de escravos. Na costa moçambicana, eles negociam com “xicundas”– nativos que capturavam e vendiam escravos.

Os escravos – que na maioria eram crianças e jovens – eram torturados desde a sua apreensão até ao momento em que não podiam servir mais aos seus senhores.

Esta história da escravatura é contada ao mínimo detalhe, durante 51 minutos, no filme “Correntes na Zambézia”, realizado e produzido por Júlio Silva, e estreado a 25 de Maio – Dia de África.

Para além da exploração do Homem pelo Homem, no decorrer da longa-metragem, Silva aborda questões como o envolvimento de padres católicos na troca de nomes nativos por nomes portugueses e a luta das mulheres para se libertarem.

A inspiração para a produção da obra – que resgata uma parte da história moçambicana – surgiu quando o realizador se dedicava as pesquisas sobre os instrumentos musicais nacionais, que culminaram com o lançamento do livro “ Instrumentos musicais de Moçambique”. “Durante 15 anos, viajei pelo país inteiro e por diversos países do mundo a busca da história dos nossos instrumentos, e esta matéria está entrelaçada com a escravatura”, elucidou.

O objectivo de Júlio Silva, ao produzir “Correntes na Zambézia”, é resgatar uma parte da história que os livros escolares abordam com superficialidade e provocar debates sobre o passado, bem como o presente do país. “Eu fiz o filme de forma didáctica, para que um professor do ensino médio ou universitário, possa usar na sala de aula. Também, espero ver o material a ser consumido pelos partidos políticos, pois a questão da dominação pela força é antiga e não faz sentido que até hoje isso continue”, finalizou.

Júlio Silva é antropólogo cultural, cineasta, produtor musical, escritor de temas de investigação cultural, professor de música e realizador. Soma no seu currículo a realização de oito filmes com abordagens antropológicas.

“Correntes na Zambézia”

Filme para maiores de 14 anos, dado à violência apresentada com o propósito de mostrar o máximo de realismo.

No dia que foi proclamada a Lei Áurea, alguns portugueses resolveram vir ao país fazer os últimos negócios de escravos para o Brasil.

Naquela época, o comércio de escravos era intenso, onde goeses e portugueses casados com filhas de chefes locais através de seus xicundas capturavam homens, mulheres e crianças, e comercializavam marfim.

A revolta de algumas mulheres foi notável na libertação de alguns escravos.

Participação de 103 actores nacionais e 4 portugueses.

Filme feito entre Portugal e Moçambique.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos