O País – A verdade como notícia

Uma criança em cada dois minutos é infectada com HIV, segundo o UNICEF

Foto: UNICEF

Uma pandemia prolongada da COVID-19 está a aprofundar as desigualdades que desde há muito têm impulsionado a epidemia do HIV, adverte a UNICEF antes do Dia Mundial da SIDA.

Pelo menos 310.000 crianças foram recentemente infectadas com o HIV em 2020, ou uma de dois em dois minutos, declarou o UNICEF num relatório divulgado esta segunda-feira. Outras 120.000 crianças morreram de causas relacionadas com a SIDA durante o mesmo período, ou uma a cada cinco minutos.

O panorama Mundial adverte que uma pandemia prolongada da COVID-19 está a aprofundar as desigualdades que durante muito tempo conduziram à epidemia do HIV, colocando crianças vulneráveis, adolescentes, mulheres grávidas e mães lactantes em risco acrescido de faltarem serviços de prevenção e tratamento do HIV que salvam vidas.

“A epidemia do HIV entra na sua quinta década no meio de uma pandemia global que tem sobrecarregado os sistemas de saúde e restringido o acesso a serviços que salvam vidas. Entretanto, o aumento da pobreza, as questões de saúde mental e os abusos estão a aumentar o risco de infecção de crianças e mulheres”, disse Henrietta Fore, directora-executiva do UNICEF.

De forma alarmante, 2 em cada 5 crianças vivendo com HIV em todo o mundo não sabem o seu estado, e pouco mais de metade das crianças com HIV estão a receber tratamento anti-retroviral (TARV). Algumas barreiras ao acesso adequado aos serviços HIV são antigas e familiares, incluindo a discriminação e as desigualdades de género.

O relatório assinala que muitos países assistiram a perturbações significativas nos serviços de HIV devido à COVID-19 no início de 2020. Os testes de despistagem do HIV em países de elevada carga diminuíram de 50 a 70 por cento, com novas iniciações de tratamento para crianças com menos de 14 anos de idade a diminuir de 25 a 50 por cento.

O lockdowns contribuíra, para o aumento das taxas de infecção devido a picos de violência baseada no género, acesso limitado a cuidados de acompanhamento e esgotamento de bens essenciais. Vários países também sofreram reduções substanciais no fornecimento de serviços de saúde, testagem materna do HIV e iniciação de tratamento anti-retroviral do HIV. Num exemplo extremo, a cobertura ART entre mulheres grávidas caiu drasticamente no Sul da Ásia em 2020, de 71% para 56%.

Embora a aceitação dos serviços tenha recuperado em Junho de 2020, os níveis de cobertura permanecem muito abaixo dos anteriores à COVID-19, e a verdadeira dimensão do impacto permanece desconhecida. Além disso, em regiões fortemente sobrecarregadas pelo HIV, uma pandemia prolongada poderia perturbar ainda mais os serviços de saúde e alargar as lacunas na resposta global ao HIV, adverte o relatório.

Em 2020, a África subsaariana foi responsável por 89 por cento das novas infecções pediátricas por HIV e 88 por cento das crianças e adolescentes vivendo com HIV em todo o mundo, sendo as raparigas adolescentes seis vezes mais susceptíveis de serem infectadas pelo HIV do que os rapazes. Cerca de 88 por cento das mortes de crianças relacionadas com a SIDA ocorreram na África Subsaariana.

Apesar de alguns progressos na luta contra o HIV-SIDA, as crianças e os adolescentes continuaram a ficar para trás em todas as regiões durante a última década, diz o relatório. A cobertura global de ART para crianças fica muito atrás da das mães grávidas (85 por cento) e dos adultos (74 por cento).

A percentagem mais elevada de crianças que recebem tratamento antiretroviral é na Ásia do Sul (mais de 95%), seguida pelo Médio Oriente e Norte de África (77%), Ásia Oriental e Pacífico (59%), África Oriental e Austral (57%), América Latina e Caraíbas (51%), e África Ocidental e Central (36%).

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos