O País – A verdade como notícia

Uma cidade cujas estradas não conhecem o asfalto

O que ocorre no imaginário de qualquer indivíduo consciente quando se fala de uma cidade é um cenário de estradas e ruas asfaltadas ou pavimentadas, semáforos, etc. Entretanto, na cidade de Cuamba isso não faz parte das memórias dos munícipes, porque quase tudo, no centro da urbe, é de terra batida, com poeira no inverno e lama no verão.

É a cidade mais movimentada da província do Niassa, deixando para trás a própria capital provincial Lichinga, por isso carrega o epíteto de “capital económica” daquela província, mas o cenário que caracteriza na essência aquela urbe não justifica tanta poesia. No coração da cidade, as estradas e ruas são quase todas de terra batida, tornando comum a nuvem de poeira, neste período seco, e lama, quando chove.

Na última semana o Presidente da República esteve em Cuamba para uma série de trabalhos e a movimentação da sua comitiva para frente e para trás deixou a nu a realidade daquela cidade cujas estradas, todas, não têm asfalto e somente algumas, que perfazem uma extensão total de um quilómetro e meio estão pavimentadas e/ou em processo.

“Houve muita poeira na cidade, mas aquilo é uma lição, não é? Cuamba tem que melhorar! Muitos carros estavam lá e o peão é que estava a passar mal. Acredito que há muita tosse por ai”, desabafou Eusébio da Costa, munícipe de Cuamba que o entrevistamos a bordo na sua viatura, fora do centro da cidade.

A solução para a cidade virá do projecto de asfaltagem da estrada nacional número 13 que está em obras desde o distrito de Malema, na vizinha província de Nampula, e atravessa aquela autarquia.

“São cinco quilómetros da cidade de Cuamba. Portanto, cerca de 90% das ruas de Cuamba vão ser asfaltadas e os 10% são estes que estamos a pavimentar”, avançou Mário Cinquenta Naula, edil de Cuamba.

A pavimentação de algumas ruas começou no ano passado, com fundos da edilidade, o mesmo aconteceu com a construção de duas sedes administrativas fora do centro da cidade, assim como uma escola primária com três salas de aulas no bairro de Nacaca, uma zona com características rurais, onde a escola antes existente era de construção à base de pau a pique e cobertura de capim.

“As salas já estavam a sair capim e outras crianças estudavam debaixo da mangueira”, testemunhou Távia João, residente no bairro de Nacaca, periferia de Cuamba.

O acesso à água potável é outro desafio que os munícipes de Cuamba enfrentam. O edil promete “os bairros circunvizinhos estão a ter problemas por isso no próximo ano estamos apostados em abrir furos em quase 90% dos bairros da nossa cidade”.

O Município de Cuamba é o único que está sob gestão da Renamo na província do Niassa desde as últimas eleições autárquicas.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos