O País – A verdade como notícia

Um gajo pode pegar céu?

Por: José Paulo Pinto Lobo

 

(dedicado à Fernanda co-protagonista desta história, pelo seu amor às crianças e à Educação)

 

No tempo e nas margens do colonial Chiveve, numa escola com nome de metropolitano governador, um aluno vacila no exame oral do 2º ano liceal.

Na resposta correcta a uma pergunta final jogava-se o futuro de Cadeado na tentativa de obter a tão desejada graduação.

– Professora, um gajo pode pegar céu?

Cadeado tenta, angustiadamente, identificar gramaticalmente o termo, apelando à sua professora nesse dia no papel de examinadora, no idioma importado e complexo do qual ainda não tomou posse plena.

Membros do júri, qual donos e patrões da língua, soltam gargalhadas trocistas.

Os ignaros escarnecedores nas suas mesquinhas mentes não atentaram na grandeza e profundidade da questão, iludidos pelo nome do examinando.

Um gajo pode pegar céu?

Não é a pergunta fundamental que se coloca à Humanidade?

Comum, própria, simples, composta, concreta, abstracta, primitiva, derivada e colectiva?

Desde que a Lucy, ainda sem diamantes, perscrutou o céu.

Depois o Homem foi à Lua, a Marte e ambiciona as estrelas.

Enquanto milhões vivem o inferno e o desespero das guerras, da fome e da doença.

Pergunta ingénua mas prenhe de futuros.

– Pensa comigo – diz carinhosamente a professora. Onde está o céu?

– Ah! Substantivo abstracto.

Um gajo pode pegar céu?

Pode? Substantivamente?

Terá Cadeado conseguido agarrar o seu?

 

Cascais, 1 de Junho 2021

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos