O País – A verdade como notícia

Trio no caminho da Liguilha

Foto: O País

O Desportivo Maputo, Textáfrica de Chimoio e Matchedje de Mocuba são as prováveis formações que poderão disputar a Liguilha, em que só a equipa vencedora irá manter-se no Moçambola. É que, faltando quatro jornadas para o término da prova, o trio tem poucas chances de garantir a manutenção.

O caminho da Liguilha é quase que inevitável para as três equipas. Só um milagre e crença no politeísmo poderá evitar que o trio Desportivo Maputo, Textáfrica de Chimoio e o primo divisionário Matchedje de Mocuba não desçam de divisão. Faltando quatro jornadas para o término do Moçambola, restam apenas 12 pontos por disputar.

O Desportivo Maputo soma, neste momento, 15 pontos na tabela classificativa. Por mais que vençam os últimos quatros jogos, o mínimo que os “alvi-negros” podem conseguir são 27 pontos, bastante insuficientes para garantirem a manutenção. Para tal, o Desportivo teria de esperar que o Ferroviário de Nampula, com 25 pontos, e Incomáti, com 23, na 10ª e 11ª posição, respectivamente, percam os últimos jogos.

Nas próximas quatro jornadas, o Desportivo Maputo vai defrontar as formações de Ferroviário da Beira, actual segundo classificado, Incomáti de Xinavane, Ferroviário de Nampula e Associação Desportiva de Vilankulo.

O Desportivo Maputo tem experimentado muitos solavancos, com destaque para a crise financeira que abala o clube. Aliás, esse facto aliado à pressão da massa associativa terá contribuído para que, em Setembro do ano passado, Inácio Bernardo colocasse o seu lugar à disposição. Desgovernados e sem dinheiro, os “alvi-negros” andaram às avessas. Em meio a tamanhas incertezas, coube a Danilo Liasse assumir a Comissão de Gestão do emblema preto e branco.

Mas, como um mal nunca vem só, o Desportivo viria a sofrer um revés, com o desaparecimento físico, em Abril passado, do seu treinador Rogério Marianni, vítima de doença. Apresentado em Dezembro do ano passado como treinador do emblema “alvi-negro”, Marianni tinha como cavalo de batalha devolver a mística ao clube. Sonho interrompido.

Já sob gestão do Paulo Ratilal, o Desportivo Maputo foi ao mercado buscar o jovem treinador Satar Salvado. A missão era clara, garantir que as “águias” não descessem de divisão. O enlace até foi um mar de rosas no início, mas gradualmente as fragilidades vieram à tona.

Satar Salvado soltou o verbo àqueles que interferiam no seu trabalho. Já sem fôlego para aguentar a pressão das “forças externas”, Salvado bateu com a porta. A verdade é que ainda há uma linha ténue que separa os “alvi-negros” da manutenção.

 

SITUAÇÃO COMPLICADA PARA OS “FABRIS”

À semelhança do Desportivo, o Textáfrica de Chimoio também está na iminência de descer de divisão. Com 12 pontos na última posição, o mínimo que os “fabris” do Planalto, caso vençam os últimos quatro jogos, podem conseguir é terminar a prova com 24 pontos, o que matematicamente não é suficiente para evitarem a despromoção. Envolto a uma crise financeira e directiva, o Textáfrica também sofreu vários abanões.

Quinito Júnior até tentou reverter o cenário, mas a sua astúcia foi sol de pouca dura, pois os adeptos destaparam o véu, acusando­-o, dentre várias coisas, do uso indevido do nome do clube para fins pessoais. Depois foi o que se viu. Acácio Gonçalves assumiu o leme, tendo como missão mudar o quadro negro que o clube atravessava.

Ainda assim, o cenário não mudou. Os “fabris” do Planalto têm pela frente quatro finais, diante da Liga Desportiva de Maputo, Costa do Sol, Ferroviário de Lichinga e Ferroviário da Beira. De treinador a treinador, os “fabris” do Planalto foram-se afundando no Moçambola. Sem crise financeira nem directiva, o Matchedje de Mocuba atirou-se às feras, com intenção de fazer boa figura, mas a realidade foi diferente.

Somando 16 pontos na tabela classificativa, ainda que vençam os últimos quatro jogos, no mínimo os “militares” podem terminar a prova com 28 pontos, mas não suficientes para evitarem a despromoção.

Para conseguir a manutenção, os “militares” só podem rezar para que o trio Liga Desportiva de Maputo, com 27 pontos, Ferroviário de Nampula, 25 pontos, e Incomáti, com 23 pontos, perca os últimos quatro jogos, o que é improvável. Mas, antes, os “militares” ainda têm quatro batalhas frente à Associação Desportiva de Vilankulo, Liga Desportiva de Maputo, Ferroviário de Maputo e União Desportiva de Songo. A aventura do Matchedje de Mocuba poderá terminar de forma inglória. Serão os “militares” os pintos que morreram dentro dos ovos?

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos