O País – A verdade como notícia

“Tricolores” carbonizados em Vilankulo

O Maxaquene, de Antoninho Muchanga, não conseguiu gerir o resultado favorável que trazia da primeira mão, quando venceu a ENH de Vilankulo por uma bola sem resposta. Na sua deslocação a Vilankulo, os “tricolores” sucumbiram por uma bola sem resposta no tempo regulamentar, com golo marcado por Eva’nga, ainda na primeira parte. Os comandados por Antoninho Muchanga ainda tentaram desfazer a igualdade na eliminatória, mas encontravam uma equipa bem estruturada da ENH, com uma defensiva que não permitia penetrações do adversário e um guarda-redes seguro que não queria deixar a oportunidade de garantir a passagem às meias-finais da prova.
E porque o resultado à tangente, a favor da ENH de Vilankulo, colocava a eliminatória empatada, havia necessidade de se recorrer a lotaria das grandes penalidades. Ai sim, viu-se quem realmente queria passar a eliminatória.
Do lado do Maxaquene, marcou apenas um jogador e do lado dos “hidrocarbonetos” marcaram quatro jogadores. O guarda-redes da ENH foi o herói dos vilankulenses, ao defender 3 grandes penalidades dos “tricolores”. 
No final do jogo, Antoninho Muchanga estava desagradado com o resultado e felicitou aos “hidrocarbonetos” pela passagem, não preferindo entrar em detalhes em relação ao jogo. Já João Chissano era um homem feliz pela passagem e disse ser fruto de muito trabalho da sua equipa.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos