O País – A verdade como notícia

Tribunal da Coreia do Sul mantém pena de prisão de 17 anos a ex-Presidente Lee Myung-bak

O Supremo Tribunal da Coreia do Sul decidiu manter, esta quinta-feira, a pena de 17 anos do ex-Presidente Lee Myung-bak, acusado de desvio de 25,2 mil milhões de won e por receber 9,4 mil milhões de won em subornos, escreve o Notícias ao Minuto.

O ex-Presidente, que chegou à política depois de uma longa carreira na Hyundai, foi condenado em 2018 pelo Tribunal Distrital Central de Seul a uma pena de 15 anos de prisão e uma multa de 13 mil milhões de won (10 milhões de euros), por aceitar subornos do Grupo Samsung para conceder um indulto presidencial ao antigo responsável da empresa Lee Kun-hee, que foi condenado por evasão fiscal.

Em Fevereiro, o tribunal aumentou em recurso para 17 anos de prisão, mas Myung-bak permaneceu em liberdade sob fiança até à decisão do tribunal supremo.

“Não houve erro legal na condenação do tribunal de recurso por corrupção e desvio de fundos”, informou a instância judicial em comunicado, citado pelo Notícias ao Minuto.

Segundo a fonte, o ex-Presidente sul-coreano, que não tem mais recursos legais, corre o risco de terminar a vida na cadeia, a menos que lhe seja concedido um perdão presidencial.

Na Coreia do Sul os chefes de estado são condenados frequentemente a penas de prisão após abandonarem o poder, sobretudo quando acontece uma alternância política. Os quatro antigos presidentes que ainda estão vivos foram todos condenados desta forma, escreve a TVI24.

Lee Myung-bak foi presidente de seu país de 2008 até 2013, e foi prefeito do município de Seul de 2002 a 2006. Sucedeu a Roh Moo-hyun como presidente da Coreia do Sul em 25 de Fevereiro de 2008.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos