O País – A verdade como notícia

Transportadores da Zambézia dizem que nova tarifa é irreversível

Foto: O País

Apesar de o agravamento de preço do transporte público de passageiros, em vigor na província da Zambézia, desde o dia 02 de Janeiro, não ter sido autorizado pelas autoridades, os “chapeiros” dizem que não vão recuar da decisão.

A Direcção Provincial dos Transportes e Comunicações da Zambézia disse que conversou com os transportadores para aguardar até que se tome uma decisão sobre a tarifa do “chapa”. Porém, os “chapeiros”, por sua vez, desmentem, alegando que nunca dialogaram com o Governo e que, mesmo se assim o for, não vão baixar o preço.

“Nós, os transportadores semi-colectivos de passageiros da Zambézia, reafirmamos que não vamos recuar da nova tarifa que decidimos colocar em vigor. Devíamos ter subido o preço no ano passado, mas mandaram-nos parar, alegando que, a partir do dia 02 deste mês de Janeiro, iríamos retomar a pretensão. Estamos apenas a cumprir o que nos foi dito, porque estamos numa situação difícil em termos dos custos de operações”, disse Tito Armando, um transportador da rota Quelimane-Mocuba, que arrolou o preço do combustível e a COVID-19 como as principais causas por trás da subida do preço.

Num outro desenvolvimento, os transportadores dizem que não vão ceder à pressão do Governo central. Entretanto, a directora provincial dos Transportes e Comunicações garantiu que o Executivo, numa ronda de diálogo com a direcção da Associação Provincial dos Transportadores da Zambézia, acalmou o ânimo dos “chapeiros”.

“Nós sentamo-nos com as associações para manterem a calma e esperarem pela decisão do Governo neste sentido. Os transportadores estão calmos e nós estamos a monitorar no terreno o assunto”, garantiu Fátima de Souza, num contexto em que o cenário mostra o contrário.

Aliás, a afirmação da governante foi contrariada por Rogério Peleme, que explicou que, em nenhum momento os transportadores se reuniram com o Governo, para discutir a questão da tarifa, desde que foi tomada a decisão de forma unilateral.

“Não vimos, aqui, ninguém do Governo e muito menos a própria directora provincial. Ainda que cá viessem, a nossa decisão não vai mudar”, desafiou Peleme.

Baduro Alfredo, vice-presidente da Associação Provincial dos Transportadores da Zambézia, fez saber que a sua agremiação não tem responsabilidade sobre a decisão dos transportadores. Se por um lado os “chapeiros” reclamam alta de preços de combustível e COVID-19 para justificar o agravamento da tarifa, por outro, o cidadão terá que arcar com as consequências do aumento de preço de “chapa” naquela província.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos