O País – A verdade como notícia

Trabalhador morre ao cair de uma grua na cidade de Nampula

Uma pessoa morreu esta quarta-feira ao cair de numa grua a uma altura de mais de 30 metros. O acidente aconteceu no local da obra embargada do Banco de Moçambique na cidade de Nampula e a vítima não tinha cinto de segurança

 

O acidente aconteceu no período da manhã, quando duas pessoas fizeram-se ao alto da grua, a mais de 30 metros, com o intuíto de fazer a manutenção periódica do equipamento. Quando menos se esperavam, a parte onde tinham pisado cedeu, uma das pessoas caiu e morreu instantaneamente; a segunda conseguiu apoiar-se a uns ferros e assim evitou a queda.

A presença da nossa equipa de reportagem no local incomodou algumas pessoas ligadas à obra que inclusivamente quiseram, sem sucesso, probir a captação de imagens vídeo e fotográficas.

Os agentes do Serviço Nacional de Investigação Criminal estiveram no local para fazer o levantamento preliminar necessário, antes da remoção do corpo, momentos depois também chegou a Inspecção do Trabalho para se inteirar do sucedido. De acordo com a inspectora do Trabalho, Olga Nassone, o malogrado era de Maputo, era experiente, mas no momento do sucedido não tinha cinto de segurança que é obrigatório em obras às alturas.

“O que constactamos no terreno é que o trabalhador devia ostentar o cinto de segurança. O capacete, para o caso concreto, não consegiu proteger o trabalhador. O equipamento que podia segurar o trabalhador para não passar por esta situação é o cinto de segurança e que na altura não trazia”.

O acidente em causa acontece um dia depois da celebração do dia internacional de higiene e segurança no trabalho, e vem a confirmar uma realidade preocupante: o sector de construção civil é dos que mais casos de acidentes no trabalho registam, sendo que dos 11 casos que chegaram à Direcção do Trabalho no ano passado em Nampula, quatro estiveram relacionados com este sector, mas sem vítimas mortais.

O obra da filial do Banco de Moçambique na cidade de Nampula está avaliada em 900 milhões de meticais no câmbio de 2012, e está embargada já lá se vão cinco anos, devido a um litígio entre o dono da obra e um empresário bastante influente, que reclama a titularidade do Direito de Uso e Aproveitamento do mesmo espaço.

O caso está na secção  Comercial do Tribunal Judicial da Província de Nampula, ainda sem desfecho, porque o empresário em causa colocou duas opções na mesa: o pagamento de uma indemnização de mais de 800 milhões de meticais ou a demolição da obra e devolução do espaço.

O Banco de Moçambique não concorda com nenhuma das opções porque entende que foi-lhe atribuída a titularidade de DUAT pelo Município de Nampula, antes do início das obras em 2012.    

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos