O País – A verdade como notícia

Tonela pede dinheiro ao BM para fazer reformas macroeconómicas

Foto:  O País

O ministro da Economia e Finanças, Max Tonela, diz que introduzir reformas macroeconómicas exigidas pelo Fundo Monetário Internacional é caro e Moçambique não tem dinheiro para cobrir tudo. Por isso, Tonela pediu, hoje, “maior apoio do Banco Mundial” para a implementação das medidas.

O negócio está fechado: Moçambique vai ter apoio do FMI de 470 milhões de dólares, mas o país terá de implementar uma série de medidas, entre as quais reduzir os gastos com salários e remunerações do sector público, redução da dívida pública e alargamento da base tributária.

Já foi dito, em várias ocasiões, que o Governo já queria fazer tais mudanças e que só houve coincidência entre o anseio do país e as exigências do FMI. Porém, Max Tonela explica que, para fazer isso, serão necessários encargos adicionais.

Por exemplo, só com a harmonização salarial do sector público, o Estado vai precisar de cerca de 20 mil milhões de Meticais.

Por isso, o ministro da Economia e Finanças de Moçambique, Max Tonela, pediu, hoje, “maior apoio” do Banco Mundial (BM) face à “magnitude” das reformas que o país deve empreender visando a transformação macroeconómica do país.

“Gostaríamos de ter maior apoio do Banco Mundial na mobilização de recursos”, afirmou Tonela.

O governante falava, em Washington, durante um encontro com o vice-presidente do BM para a África Oriental e Austral, Hafez Ghanem.

O BM tem prestado auxílio a Moçambique, mas “a magnitude” das reformas que o país deve materializar exige a mobilização de mais recursos, acrescentou Max Tonela.

“Temos enfrentado vários desafios, que resultam, principalmente, de choques associados às mudanças climáticas, pandemia da COVID-19, acções terroristas no Norte do país e, agora, as incertezas geradas pelo conflito entre Rússia e Ucrânia”, declarou o ministro da Economia e Finanças.

Max Tonela avançou que o país tem registado progressos no combate ao “terrorismo” na província de Cabo Delgado, Norte do país, como resultado da cooperação militar com a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e o Ruanda.

Por outro lado, continuou, Moçambique conta com a ajuda de vários países europeus, africanos e EUA  na formação e apoio logístico às Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM).

Na frente contra a COVID-19, prosseguiu, o país conheceu avanços, tendo conseguido vacinar completamente 13,6 milhões de pessoas, o equivalente a 89,4% da meta da população por imunizar.

Cerca de um milhão de pessoas já receberam pelo menos uma dose da vacina contra a COVID-19, acrescentou.

Os avanços na luta contra a pandemia contaram com a ajuda financeira do BM, notou Max Tonela.

Tonela assinalou que a taxa de infecção pelo novo Coronavírus em Moçambique caiu para 0,4%, verificando-se, igualmente, uma queda acentuada nos internamentos e mortes.

Os ganhos no combate à doença estimulam o Governo a aliviar as restrições impostas para a prevenção, o que será benéfico para a recuperação económica.

Max Tonela congratulou-se com o entendimento alcançado este mês com o Fundo Monetário Internacional (FMI) para a implementação de um programa de reformas macroeconómicas e estruturais nos próximos três anos.

“O programa tem como objectivo apoiar os esforços do Governo, visando a implementação de reformas focadas na aceleração da recuperação económica, aprofundamento da estabilidade macroeconómica, no médio e longo prazos, e reforço de acções destinadas à promoção da governação, transparência e combate à corrupção”, enfatizou.

Na esfera fiscal, o programa de reformas preconiza medidas de políticas viradas à expansão da base fiscal e reforço da gestão de finanças públicas, tendo em vista a melhoria da sustentabilidade da dívida pública e gestão financeira, bem como da capacidade institucional de monitoria de riscos fiscais.

Nessa perspetiva, o Governo pretende implementar, com a ajuda do FMI, medidas de políticas viradas no fortalecimento da governação e transparência na gestão da dívida pública.

A agenda de reformas inclui, igualmente, a criação de um espaço orçamental para programas de protecção social e melhoria da eficiência na despesa com as camadas mais desfavorecidas da população.

“Esperamos que o acordo com o FMI seja aprovado com o conselho de directores em Maio e o início da implementação do programa em Junho de 2022”, declarou Max Tonela.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos