O País – A verdade como notícia

“Tivemos um início difícil, mas agora estamos melhores”

A internacional basquetebolista moçambicana, Tamara Seda, diz que a sua segunda temporada no RPK Araski está a correr de feição. Em entrevista ao sítio do seu clube, a melhor ressaltadora do “Afrobasket” 2019, em Dakar, Senegal, fala ainda do seu percurso na modalidade da bola ao cesto, assim como motivações para praticar o basquetebol.

Em primeiro lugar, desejamos um feliz ano. O que gostaria de pedir para este ano de 2021?

Muito obrigado. Só vou pedir uma coisa: que o mundo volte ao normal.

Depois de um início um tanto irregular, a equipa contabiliza agora cinco vitórias consecutivas. Como é que analisa a sua segunda época no RPK Araski?

Posso dizer que o meu segundo ano, aqui, foi muito bom. É verdade que tivemos um início difícil onde nada fazia sentido, mas agora estamos muito melhores. Tudo fica melhor quando você ganha e, o trabalho feito durante a semana, se reflete na quadra durante o jogo. Vim para o RPK Araski para aprender, crescer e me sentir bem comigo mesma. Devo dizer que isso não mudou.

Como é que se sente longe de casa e da família, sobretudo, nessas datas especiais?

Tem sido assim nos últimos oito anos. Esta é a vida que escolhi para mim, e presumo. Mas é muito difícil em Dezembro quando você sabe que sua família e amigos estão todos juntos e eu estou distante. Embora passe o Natal com meus colegas e treinadores, não é a mesma coisa.

Fale-nos um pouco sobre Moçambique…

O que posso dizer sobre Moçambique? Temos um clima tropical, óptimas praias, óptima comida, óptimas pessoas. Não me entenda mal, temos nossas coisas más também, mas eu amo estar em casa.

Como é que o basquetebol é vivido em Moçambique?

Temos um bom basquetebol em Moçambique, mas o problema é que não temos muitas equipas para competir entre si. Por exemplo, a Liga Feminina é composta por apenas 5-6 equipas e é semi-profissional, o que significa que o basquetebol é jogado em pouco tempo. Temos muitos adeptos, mas a maioria deles aparece quando temos torneios internacionais. Nas escolas, não existe realmente um desporto e específico que é praticado. Então, temos miúdos e raparigas que aprendem actividade física incluindo todos os desportos. Mas não há competição nas escolas quando se trata de desportos como aqui.

Depois de praticar o voleibol, decidiu abraçar o basquetebol aos 17 anos. Como é que se deu essa mudança?

O voleibol era minha paixão e não queria jogar basquetebol porque achava que era mais um desporto para homens. Confesso que, sendo alta, as pessoas muitas vezes pensavam que eu era um menino. Então, eu queria praticar uma modalidade ‘mais feminina’ que existia, mas não era muito bom no voleibol. Decidi tentar no basquetebol e me apaixonei desde o primeiro dia.

O que você gosta de fazer nos seus dias de folga? Qual é o seu canto preferido de Vitoria-Gasteiz?

Nos dias de folga gosto de cuidar de mim, cuidar dos cabelos, limpar a casa, assistir a um filme, quem sabe ir ao shopping ou tomar um café (embora agora fique mais tempo em casa). Em Vitória, adoro ir ao café Bertiz e ficar sozinha ou com alguém.

Você ainda tem muito basquetebol pela frente. Mas, depois de terminar a sua carreira, o que você gostaria de fazer?

Bem, ainda não sei o que vou fazer depois de terminar a minha carreira como jogadora de basquetebol, mas com o passar dos anos estou mais interessado em uma melhor alimentação, actividade física e motivar outras pessoas a terem um estilo de vida mais saudável. Também, talvez, algo relacionado com incentivo aos jovens a fazerem as coisas que desejam, em vez do que devem fazer.

“TEMOS UM BOM BASQUETEBOL EM MOÇAMBIQUE”

 

Há atletas que vemos que de um jogo para outro trocam de calçado, mas no seu caso tem a ver com a troca de penteado. Conte-nos como você decide com que ‘visual’ vai a cada jogo.

Meus penteados não são realmente uma rotina. Com o nosso tipo de cabelo, não podemos ter o mesmo estilo de penteados por muitos dias. Como mulheres negras, pensa-se que o nosso cabelo tem que ter uma boa aparência e estar sempre limpo. Então, para as meninas que têm o mesmo tipo de cabelo que eu e não mudam com frequência, é porque não sabem como fazer. Então, para mim, se um penteado dura um dia, eu o troco no dia seguinte, não porque tenho que ficar diferente a cada partida. É totalmente normal que eu mude meu penteado com frequência porque sei como fazê-lo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos