O País – A verdade como notícia

Terrell Stoglin: O “aniquilador” do Ferroviário da Beira

Foto: FIBA-ÁFRICA

Terrell Stoglin desmontou o Ferroviário da Beira, na madrugada de quinta-feira, e alcançou a sua segunda maior pontuação na Basketball Africa League (BAL), no dia em que o AS Salé relançou a sua campanha na Conferência do Sahara. O detentor de record de mais pontos marcados num jogo da BAL, fez 34 pontos e ajudou AS Salé a vencer os “locomotivas” de Chiveve, por 95-84.

Com muito charme na quadra, apimentado com os seus 1.84 metros de altura e 84 quilos de peso, Stoglin somou 34 pontos e 8 assistências para ajudar os campeões marroquinos a vencer o Ferroviário da Beira, por 95-84, na madrugada de quinta-feira, no Dakar Arena, em Senegal.

O norte-americano de 30 anos de idade, que detém o recorde de mais pontos marcados em um jogo da BAL (40), foi intitulado homem da partida não apenas por sua proeza de pontuação, mas também por sua agressividade em ambas as extremidades da quadra e levou a sua equipa à primeira vitória dos ex-campeões africanos depois de perder para o REG do Ruanda, no domingo.

A equipa marroquina perdeu durante a maior parte do segundo quarto, mas Stoglin desencadeou a recuperação da sua equipa ao converter dois lances livres a 4:45 minutos do final, que os colocaram na frente, por 79-78.

“Jogamos nossos corações”, disse Stoglin. “Somos guerreiros e isso foi fundamental para a nossa vitória esta noite. Precisávamos de um impulso, meus companheiros de equipa sempre contam comigo e eu fiz o que deveria fazer”.

A ex-estrela da Universidade de Maryland seguiu com uma jogada de 2+1, Abdoulaye Harouna acertou dois lances livres e o AS Salé parecia estar no controlo do jogo, novamente.

Khalid Boukichou, o herói desconhecido do AS Salé, manteve o seu melhor depois de converter dois arremessos de três pontos consecutivos que aumentaram a vantagem para 90-80, com 2:10 minutos restantes.

Boukichou contribuiu com 9 pontos, 7 ressaltos, 3 assistências, e ainda um bloqueio. Álvaro Masa, um senhor conhecedor do basquetebol moçambicano, sobretudo do Ferroviário da Beira, que enfrentou muitas vezes do que qualquer outro na BAL, em resultado das suas passagens pelo rival, Ferroviário de Maputo, somou 16 pontos.

“Precisávamos desesperadamente desta vitória, caso contrário estaríamos em apuros”, observou o espanhol.

“Precisávamos nos ajustar defensivamente porque eles marcaram quase 50 pontos nos primeiros dois quartos. Acho que isso nos ajudou a vencer o jogo de hoje.”

Refletindo sobre o futuro do AS Salé na Conferência do Sahara, Masa observou: “Este torneio é muito equilibrado, com excepção do Monastir que, acho, está acima de todas as outras equipas.

Embora parecessem consistentes ofensivamente, eles lutaram para proteger sua linha de perímetro, permitindo 15 arremessos de três pontos que se mostraram caros para eles.

 

RANDY ONWUASOR: O MAQUINISTA IMPROVÁVEL

Randy Onwuasor tem vindo a crescer jogo a jogo. Na noite e madrugada de quarta e quinta-feira só deu o nigeriano. O extremo/base foi o maquinista em serviço ao somar 19 pontos.

Jermelle Kennedy, que tinha feito 27 pontos frente ao D.U.C, contribuiu com 13 pontos, 9 ressaltos e 7 assistências. William Perry fez 4 ressaltos, além de 6 assistências e dos 14 pontos e Helton Ubisse, finalmente “saiu da caixa”, ao conseguir o seu melhor desempenho na BAL, até agora, contribuindo com 16 pontos e 8 ressaltos.

Com o triunfo, o AS Salé melhorou a classificação, somando uma derrota e uma vitória, enquanto o Ferroviário da Beira contabiliza uma vitória e duas derrotas.

No outro jogo disputado, esta quarta-feira, para a Conferência Sahara, o REG do Ruanda venceu o Seydou Legacy da Guiné Conacri, por 83-81.

Depois do descanso de quinta e sexta, os “locomotivas” de Chiveve voltam a competir este sábado, diante dos guineenses do Seydou Legacy, antes de terminarem esta etapa, na próxima terça-feira, diante do REG do Ruanda.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos