O País – A verdade como notícia

Terra do rand salva comércio externo moçambicano

Durante o ano passado, a África do Sul continuou a ser o principal destino das exportações de Moçambique, ao comprar diversas mercadorias avaliadas em cerca de 1165,56 milhões de Dólares, indica a Síntese da Conjuntura Económica do Instituto Nacional de Estatística (INE).

De Janeiro a Março, a terra do rand comprou de Moçambique produtos avaliados em 431,13 milhões de Dólares, que, em termos de peso nas principais exportações do país, equivalem a 28,46%. Os principais produtos adquiridos pela África do Sul foram energia, fluoretos e fluoro silicatos.

Durante o período, os outros maiores compradores dos produtos de Moçambique foram a China – 157,62 milhões de Dólares, Índia – 138,89 milhões e os Emirados Árabes Unidos com 100,34 milhões de Dólares norte-americanos, revela o Instituto Nacional de Estatística.

Em termos de importações de Moçambique, África do Sul foi quem vendeu mais ao país, principalmente, energia e gás de petróleo, que custaram 179,88 milhões de Dólares. Já os Países Baixos, na segunda posição, venderam 164,11 milhões de Dólares em produtos.

No segundo trimestre, de Abril a Junho do ano passado, as compras da África do Sul em Moçambique reduziram, ao situarem-se em 230,32 milhões de Dólares, mas a terra do rand manteve-se como o principal destino das exportações da “pérola do índico” durante o período.

Entretanto, da lista dos principais países que venderam produtos e serviços para Moçambique constam a África do Sul, com vendas ao país na ordem de 573,33 milhões de Dólares, China – 203,22 milhões e Índia na terceira posição, com vendas ao país a atingirem 141,70 milhões de Dólares.

No terceiro trimestre de 2021, segundo o documento do INE que temos vindo a citar, a África do Sul perdeu a liderança, tendo ficado como o terceiro principal país que comprou produtos diversos provenientes de Moçambique, no valor de cerca de 253,61 milhões de Dólares norte-americanos.

Nesse período, Julho a Setembro do ano passado, a posição de liderança foi ocupada pelos Países Baixos que adquiriram mercadoria de Moçambique no valor de 326,72 milhões de dólares, seguido pela Índia, com 318,22 milhões de Dólares, e, na quarta posição, esteve a China, com 161,64 milhões de Dólares.

No campo das importações de Moçambique, a África do Sul foi a origem principal das mercadorias compradas pelo país, que custaram 632,24 milhões de Dólares, tendo vendido, principalmente, energia, agentes orgânicos e milho, segundo mostram os dados do INE.

Nos últimos três meses do ano 2021, a África do Sul voltou a assumir a liderança, ao importar 250,5 milhões de Dólares de produtos de Moçambique, seguida da Índica – 332,4 milhões, a China com 113,3 milhões e, por fim, outros países que, em conjunto, adquiriram o resto das exportações do país.

Dos principais produtos exportados de Moçambique durante o quarto trimestre, o destaque vai para o carvão mineral em hulha (29,36%), o alumínio (20,38%), a energia eléctrica (7,19%), as areias pesadas (6,28%), o gás natural (3,85%), o carvão mineral em coque (3,69%) e o tabaco (3,09%).

Em termos de compras de Moçambique no exterior, a África do Sul continuou, também, a ser o principal país fornecedor, tendo vendido 620,7 milhões de Dólares norte-americanos a Moçambique de produtos diversos, nomeadamente, energia eléctrica, barras de ferro ou aço, revela o documento do INE.

“Nas importações, destacaram-se a maquinaria (15,26%), os cereais (8,97%), o gasóleo (8,86%) os automóveis (3,99%), o óleo alimentar (3,82%), a gasolina (3,37%) e a energia eléctrica (2,73%)”, fez saber o Instituto Nacional de Estatística.

No quarto trimestre do ano 2021, o volume de carvão vendido reduziu cerca de 34,25%, comparativamente ao trimestre homólogo de 2020. Por seu turno, o volume do alumínio vendido aumentou cerca de 42,07%.

Já a importação de equipamento, nos últimos três meses do ano passado, segundo o Instituto Nacional de Estatística, observou um aumento em 33,49%, quando comparada ao período homólogo de 2020. A importação de veículos também cresceu cerca de 48,73%.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos