O País – A verdade como notícia

Terminou prazo de regularização de campas e jazigos na capital

Terminou hoje o prazo para a regularização de campas e jazigos, nos cemitérios municipais da Cidade de Maputo, depois de a edilidade ter prorrogado por mais quatro meses. 120 dias depois, ainda há munícipes que não concordam com a cobrança deste serviço.

Este processo, que teve o seu início no mês de Abril do ano em curso, dividiu opiniões entre os munícipes da Cidade de Maputo.

É que a edilidade exigiu que, em 60 dias (primeiro em Abril, depois em Maio), todas as campas e jazigos fossem regularizados, sob pena de serem revertidos a favor do Município.

Mas, esta decisão não reuniu consensos, houve vozes em todo lado, tendo a edilidade recuado da decisão e prorrogado por mais quatro meses.

Anunciado a 24 de Julho, o Município de Maputo decidiu que ontem fosse o último dia, marcado por pouca afluência dos munícipes, contrariamente ao que se verificou no último prazo, em Julho.

Porém, os poucos que lá estiveram continuam a considerar inoportuna a decisão do Município de Maputo e condenam, acima de tudo, a decisão de “abocanhar” os espaços não regularizados.

“Não tem sido fácil estar aqui, devido à pandemia e as constantes enchentes que aqui se verificam, para além da morosidade no atendimento. Mas, mais do que isso, eu acho que não é altura para se seguir com essas cobranças”, desabafou Gracinda Cumbe.

A mesma aflição é vivida por Emílio Chaúque que, mesmo sem concordar, conseguiu regularizar uma das três campas por que é responsável.

Chaúque estava à espera do recibo que comprovava a regularização de uma campa, mas não se conforma com a imposição.

“O Município deu-nos seis meses para regularizar os espaços, mas é preciso saber que temos família por alimentar e tantas despesas por suportar. A vida está difícil para nós, os moçambicanos”, disse.

O vereador de morgues e cemitérios do Município de Maputo, Hélder Muando, disse que o processo é irreversível e quem não regularizar poderá perder a campa.

“Findo o prazo de 120 dias, nós iremos aplicar aquilo que está na Postura Municipal, que diz que o coval se reverte a favor do Conselho Municipal e a edilidade dará o destino correcto àquele local. O mesmo acontece com os jazigos. No caso vertente, serão retiradas as ossadas e depositadas nos ossários e aquele coval será preparado de modo a receber novas sepulturas”, explicou o gestor.

Segundo o vereador, o processo decorreu de forma tranquila, tendo-se registado maior afluência nas últimas duas semanas, onde foi registado 75 por cento das metas.

“Em duas semanas, nós conseguimos regularizar 2500 campas e isto foi positivo para o alcance das nossas metas, que eram de regularizar 20 mil campas em Lhanguene e 29 mil, no cemitério de Michafutene, este último está muito abaixo e há registo de campas abandonadas”, disse.

De Abril até esta parte, já foram regularizadas mais de 15 mil campas no cemitério de Lhanguene, contra 13 mil no Michafutene.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos