O País – A verdade como notícia

Teodomiro Ângelo passa com “distinção” na AG dos CFM

Fotos: CFM

É um facto: os resultados desportivos têm, e como, grande peso na abordagem dos sócios às assembleias-gerais dos clubes. Quando os mesmos não acontecem, há sempre questionamentos sobre os motivos da “seca” assim como exigência de melhorias do quadro competitivo em várias modalidades. É sempre assim em qualquer parte do mundo. Foi assim no Ferroviário de Maputo. Mas, regra-geral, tudo acabou por ficar em pratos limpos.

E, na sequência da magna reunião, as contas do Clube Ferroviário de Maputo (CFM) relativas ao exercício financeiro de 2019/20 foram aprovadas em assembleia-geral por unanimidade e aclamação. Com praticamente um ano de atraso, devido às restrições impostas pela pandemia da COVID-19, a reunião magna do clube verde-e-branco teve ainda o condão de aprovar o plano de actividades para o próximo ano: 2022.

Coerente e ciente de que dar o passo para se voltar a ter glória no futebol e basquetebol, o presidente do Ferroviário de Maputo, Teodomiro Ângelo, disse que há todo um trabalho que a actual direcção está a fazer para colocar a máquina nos carris.

Ou seja, está a organizar a casa para que os resultados desportivos sejam contínuos e sustentáveis.

O dirigente assegurou ainda que o CFM já definiu as linhas de acção para a próxima temporada, sendo que o futebol, principal modalidade, a ficar com 38% do orçamento do histórico clube que este ano completou 97 anos de existência.

“Nós não obtivemos resultados animadores na época passada, principalmente no futebol e basquetebol. Estamos habituados a ganhar, mas para ganharmos é preciso que nos organizemos”, realçou Teodomiro Ângelo.

O homem forte do Clube Ferroviário de Maputo destacou, sem receio de confrontações e defensor da pluralidade de ideias, que a Assembleia-geral do clube, no geral, foi benéfica para o clube e para os que fazem deste uma referência no desporto moçambicano.

“Este reencontro foi bom. Planificámos as actividades para 2022 e espero que este ano seja de glórias e, acima de tudo, marcante. Esta assembleia foi boa para melhorarmos a comunicação. Houve contribuições por parte dos sócios e houve também reflexões profundas daquilo que se deve fazer, sobretudo, do âmbito desportivo, que visam tornar a nossa actividade desportiva sustentável”.

Com uma visão de futuro, e olhando claramente para a realidade dos clubes no planeta que olham para o desporto como uma indústria, o presidente do Clube Ferroviário de Maputo desafiou: “A nossa área comercial deve tornar o clube Ferroviário uma indústria. No âmbito organizacional, nós estamos a caminhar para o nosso centenário seguindo o lema de estarmos de portas abertas para a sociedade. Isso significa que devemos continuar eclécticos. Devemos, nas nossas acções, optar pela excelência e qualidade. Portanto, eu penso que está relançado o trabalho no clube”.

Em 2022, o futebol continuará a ter o maior bolo. Há, de resto, um incremento no orçamento sendo que passa a consumir 38% do orçamento. “Nós quisemos mostrar como é que vamos fazer a partilha de recursos por modalidade. Os 38 por cento é a maior parcela para a modalidade dada a importância que o futebol tem no clube e na sociedade. Portanto, quisemos dar estes números após longas discussões sobre qual caminho deve ser tomado para sermos excelentes”.

Por sua vez, o presidente da mesa de assembleia-geral, Carlos Bambo, enalteceu a atitude dos sócios que deram contribuições significantes e votaram a favor da aprovação dos documentos apresentados na magna reunião. “Esta aclamação representa a valorização do trabalho que esta direcção está a fazer. É a confiança que os sócios têm com o trabalho e o futuro que se prevê alcançar. O mais importante é que ouvimos os sócios. A interiorização da responsabilidade e execução do trabalho, não é só para a direcção, mas sim de todos”.

Já a antiga glória do Ferroviário de Maputo, Amir Gafur, destacou o ambiente em que decorreu a assembleia-geral desta colectividade. “O Clube está a crescer. Nos últimos anos, passou por fases muito conturbadas, mas começa a ter uma coesão e um sentido que, efectivamente, dá uma perspectiva no futuro. Dentro de alguns anos, quando atingirmos o nosso centenário, estaremos como outro clube. Um clube mais forte, mais robusto, com mais organização”, notou.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos