O País – A verdade como notícia

Tempestades e conflito armado ameaçam segurança alimentar no país

Foto: DW

Persistem no país maus sinais da insegurança alimentar precipitados pelo conflito armado em Cabo Delgado, chuvas abaixo da média no sul e partes do centro de Moçambique, inundações e danos causados ​​pelas tempestades tropicais Ana e Dumako, e o ciclone tropical Gombe.

Os agregados familiares, nas áreas afectadas pelas cheias, com acesso a sementes de ciclo curto poderão começar o lançamento das sementes logo depois das inundações, com uma colheita prevista para Julho.

No entanto, é improvável que a maioria das famílias pobres tenha bons resultados na campanha 2021-2022 em curso. O atraso na colheita provavelmente prolongará a temporada de escassez e impedirá que os preços dos alimentos caiam sazonalmente.

As restrições da COVID-19 estão a aumentar o baixo envolvimento das famílias em actividades típicas de subsistência, com muitas famílias pobres permanecendo estressadas e em crise, isso nas áreas urbanas e periurbanas.

Prevê-se, ainda, que o início da colheita seja adiado em um mês na maior parte do país, à excepção da Província de Maputo, onde a colheita principal já começou.

Espera-se uma colheita próxima da média nas áreas de maior produção de Moçambique, incluindo o norte de Tete, os planaltos de Sofala, Manica e Zambézia, grande parte do Niassa, e o interior de Nampula e Cabo Delgado.

Porém, a maior parte do sul de Moçambique, incluindo partes das províncias de Sofala e Manica, provavelmente terá colheitas bem abaixo da média devido a chuvas abaixo da média e períodos de seca prolongados.

As áreas baixas das províncias de Nampula, Zambézia e Sofala também perderam colheitas devido às cheias, mas a plantação pós-cheias é possível se os agregados familiares tiverem acesso a sementes de ciclo curto.

No geral, a produção nacional deverá ser inferior a do ano passado e abaixo da média de cinco anos após várias complicações ao longo da campanha agrícola.

 

O DILEMA DOS PREÇOS DE PRODUTOS

Os preços do milho de Fevereiro de 2022 tiveram uma tendência mista, variando de 15 por cento abaixo a 8 por cento acima dos preços de Janeiro.

O atraso no início da colheita pode fazer com que os preços atinjam o pico em Abril, relativamente ao que aconteceu em Março passado. Os preços do grão de milho em Fevereiro de 2022 estavam entre 13 e 52 por cento abaixo do nível do ano passado, excepto em Chókwè e Montepuez, províncias de Gaza e Cabo Delgado, respectivamente, onde os preços do milho estavam estáveis.

Em todos os mercados monitorados, os preços do grão de milho estavam entre 5 e 42 por cento abaixo da média de cinco anos, excepto em Montepuez, na província de Cabo Delgado, e Manica, onde os preços do produto estavam 39 e 6 por cento acima da média de cinco anos.

Os preços do arroz e da farinha de milho ficaram estáveis ​​na maioria dos mercados monitorados.

Em 17 de Março de 2022, o Governo aumentou os preços dos combustíveis domésticos de 5 a 15 por cento, devido ao aumento dos preços do petróleo bruto no mercado internacional.

Os preços da gasolina, óleo de cozinha e diesel aumentaram de 12 a 15 por cento, enquanto os preços da parafina aumentaram em 5 por cento. O aumento nos preços dos combustíveis resultou na paralisação da actividade de transporte de passageiros.

Além dos custos de transporte, o aumento dos preços dos combustíveis provavelmente aumentará o custo das transações de mercadorias e alimentos básicos.

O aumento dos preços do combustível e do pão poderá reduzir o poder de compra das famílias. Aliás, o custo do pão já está a ser agravado pelos panificadores, devido ao aumento nos preços globais do trigo.

As informações constam de um relatório da Rede de Sistemas de Alerta Antecipado da Fome (Fews Net). A Rede foi criada pela Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento (USAID), em 1985, para ajudar os tomadores de decisão a planear crises humanitárias.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos