O País – A verdade como notícia

“ANA” aumentou necessidade de assistência no Centro e Norte do país

Foto: GPM

O primeiro relatório da Matriz de Rastreamento de Deslocamento (Tropical Storm ANA Flash Report), baseado em avaliações realizadas entre 25 e 31 de Janeiro de 2022 (Flash Report Update de 31 de Janeiro), estima que 42.800 famílias tiveram as suas casas total ou parcialmente destruídas nos distritos avaliados até ao momento.

Destes, 80% estão em Nampula (34.244 casas), 15% na Zambézia (6.488 casas), 2% em Tete (812 casas) e 3% em Sofala (1.256 casas). Além disso, 21 tendas e 16 abrigos de emergência foram total ou parcialmente destruídos devido à chuva e ventos fortes.

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o Instituto Nacional de Gestão e Redução de Risco de Desastres (INGD) identificaram 409 latrinas e oito pontos de água danificados. Além disso, as localidades avaliadas até agora identificaram pelo menos 98 escolas com danos parciais e importantes.

As escolas afectadas encontram-se nas províncias de Nampula (62), Zambézia (29) e Sofala (7). 259 salas de aula foram total ou parcialmente danificadas nas escolas afectadas. Nos locais avaliados, 16 centros de saúde também foram total ou parcialmente danificados em Nampula (14) e Zambézia (2).

A OIM continua a trabalhar em estreita colaboração com o Governo de Moçambique e parceiros humanitários, para garantir a coordenação no planeamento humanitário e resposta inicial às necessidades após a tempestade tropical ANA.

“As mudanças climáticas aumentam o potencial de desastres naturais contínuos durante a estação chuvosa, o que tardou os esforços de resposta humanitária desde o ano passado, nas áreas afectadas por conflitos, aumentando o deslocamento e a possível ampliação da COVID-19. A OIM e outras agências irmãs da ONU (Nações Unidas) continuam a apoiar o INGD a avaliar os efeitos contínuos da tempestade. As nossas equipas de DTM no Centro e Norte de Moçambique indicam que as necessidades mais urgentes incluem alimentos, tendas, água potável, kits de higiene, materiais de prevenção da COVID-19, redes mosquiteiras, cobertores, lanternas, lonas, kits de saúde, sabão e potencialmente kits de prevenção da cólera”, disse Laura Tomm-Bonde, chefe da Missão da OIM em Moçambique.

De acordo com o INGD, mais de 141.000 pessoas foram afectadas pela tempestade “ANA”. Mais de 15.800 casas foram parcialmente danificadas, 7.729 casas destruídas e 5.941 inundadas, de acordo com o Relatório Situacional do INGD, publicado no dia 31 de Janeiro de 2022. Até agora, 25 pessoas foram confirmadas mortas desde que “ANA” chegou à costa moçambicana. Os trabalhadores humanitários no local citam que os necessitados receberam alimentos e água das autoridades provinciais e do INGD.

Moçambique continua a ser um dos países mais vulneráveis ​​do mundo ao impacto dos desastres naturais. O apoio à resposta humanitária é urgente, bem como soluções duradouras em Moçambique.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos