O País – A verdade como notícia

Taxas cobradas pelo Governo sufocam promotores de eventos

Foto: O País 

É insustentável a promoção de eventos em Moçambique devido às elevadas taxas cobradas pelo Governo. Com o regresso dos grandes espectáculos, as entidades promotoras exigem um período de graça para se recuperar dos efeitos causados pela pandemia da COVID-19.

Voltam a brilhar as luzes no interior do palco, após quase dois anos desligados, os artistas, produtores de eventos e espetáculos estão aos poucos a retomar a marcha.

Um resgate da cultura e identidade que, durante algum tempo, esteve esquecido, mas, agora, retoma as suas origens culturais. Mesmo com este regresso, a insatisfação encontrou eco nos promotores de eventos.

“As empresas que patrocinam o nosso trabalho fecharam as torneiras, porque a visibilidade não é a mesma. Uma coisa é ter cinco mil pessoas e ter lá a minha cerveja, outra coisa é ter apenas quinhentas pessoas. Se eu antes pagava um milhão a um artista, agora pago apenas vinte mil”.

Este problema juntou vários empresários promotores de eventos e o Governo na discussão sobre o retorno a um novo mercado pós-COVID-19.

O sector entende que está a ser injustiçado. De acordo com os empresários e promotores, antes da pandemia, pagavam apenas cinco mil para ter a autorização para a realização dos eventos, mas, actualmente, são obrigados a pagar vinte mil Meticais.

Não faz sentido, aliado há este problema, segundo os promotores, o facto de haver vários concorrentes que não estão licenciados, principalmente na Matola.

Ainda que os artistas subam ao palco em tempos da pandemia, o presidente da Associação dos Empresários, Promotores de Eventos e Espectáculos, Litho Sitoe, diz ser este o momento de criar novas medidas de alívio ao sector que ainda se ressente dos efeitos da COVID-19. “Nós, quando organizamos o fórum do mercado de negócio, chegamos à conclusão de que é preciso uma espécie de balão de oxigénio ou um período de Graça”, disse Litho Sitoe.

No entanto, estes eventos servem, também, de suporte para vários artistas que viram o seu sustento ser levado pela COVID-19. O músico Moreira Chonguisa conta que foi severamente afectado e que a vontade de voltar a cantar para mais de cinco mil pessoas é enorme, entretanto entende que deve respeitar-se o estabelecido pelo Governo.

O impacto negativo da COVID-19 não afectou apenas o sector da indústria do entretenimento, de igual forma, alguns centros culturais que acolhem, por exemplo, a literatura e vários eventos, voltaram a receber o público.

Este ambiente todo de luz e bom som já começou a vibrar a nível nacional e, apesar de somar alguns prejuízos, os intervenientes do sector esperam que haja mais intervenção do Governo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos