Boladas de cá III

Por: Ricardo Mutita   Não precisou de mais avalanches para ver o seu dia afundado. Aquela ligação do agente do SERVINCER já lhe era suficiente. Pensava, Djampirito, que o caso estivesse encerrado, mas enganou-se. Até que, antes disto, passou-lhe pela cabeça a ideia de imitar o profeta Abrão: sacrificar o seu primogénito. Isto, para ele, […]

Boladas de cá II*

Por: Ricardo Mutita   Eram por aí 7 horas, quando Hantsa passava por um posto de controlo de trânsito, em direcção àquela região sul da província de Cabo Delgado. Lá encontrava-se o seu tio, Djampirito, a trabalhar na função pública. Uma velha viatura de pele desidratada, rugosa, seminua, com todas as artérias desconectadas do seu […]