A literatura e a estranha imortalidade das obras

“Alguns livros são imerecidamente esquecidos, nenhum é imerecidamente lembrado”, Frederich Nietszche   “Catorze mil versos de sermões assim, quem poderia lê-los sem desmaiar de cansaço