Do fim trágico duma aventura amorosa do Djacabai…

Darei o dito por não-dito. Nalgumas linhas acima prometera não esmiuçar pormenores sobre as aventuras do senhor Djacabai, o ajudante do senhor Coimbra. A razão que me move é o facto de que um dos eventos de que ele foi protagonista marcou o fim da sua carreira de conquistador no bairro, a mesma que maculou-lhe […]

Mudam-se os tempos, pervertem-se as vontades…

Por: Valério Maúnde   É sexta-feira. O bairro de Bagamoyo, popular por possuir um apreciável acervo de mulheres esbeltas, mas calculistas (marandzas), é agraciado com o anúncio da actuação de um afamado cantor no bar mais badalado da zona. A gosto ou a contragosto dos moradores, cartazes promocionais foram afixados nos muros e postes da […]

A morte por companhia

Por: José Paulo Pinto Lobo   Estranham o título? De facto, quer a morte quer os mortos não são má companhia. Eu sou a prova atestada disso, em história que vos contarei em seguida. A morte é uma constante da vida. Desde que nascemos caminhamos no sentido do inevitável fim. Terreno, pelo menos. A este […]

O poder da música

Por: Arsénia Ressique Amade   Arrumar o quarto para organizar a vida é o nome de uma das minhas playlist`s, título bem descritivo este, a razão pela qual essa minha lista de músicas composta pelas músicas mais tristes e deprimentes do mundo, como “need some sleep”, chamar-se assim é bem simples. Sinto que a minha […]

O apagão

A vovó Zita vive num dos bairros suburbanos da cidade de Maputo. É uma viúva de 60 anos. A idosa vive com os seus dois netinhos, o Carlitos e o Paulo, gémeos com apenas 10 anos de idade. Os meninos perderam os seus pais ainda bebés. Após a morte misteriosa dos pais dos meninos, a […]

O banco e o crédito da calamidade

Por: Francisco Raposo   Mandiega estava sentado em sua residência, quando o secretário passou por todas artérias do bairro da Malata a convocar de forma ligeiramente obrigatória a presença de todos para a cerimónia de inauguração do primeiro e novo banco de dinheiro do distrito. – O senhor camarada, representante governamental do senhor camarada presidente […]

Prole desprovida de amor paterno

Por: Edna Matavel          Me pairam as lembranças, dos tempos em que o dia não passava, queríamos que a noite fosse eterna, para diante da figueira ouvir as histórias dos nossos avôs e a sua persistência na luta pela sobrevivência diante da pobreza. Lembro-me como se fosse ontem, quando eu juntamente com […]

A morte apaixonou-se por aquela família

Por: Edna Matavel   Tudo começou quando o cadáver do mordomo foi enterrado ao redor da casa (dlhekene). O que a família não sabia é que a sua paz também estava sendo enterrada. Os mortos reclamam, os mortos têm desejos, e, quando eles decidem, nem mesmo os grandes maziones têm poder sobre eles. Os nossos […]

Do pugilista Pablo Sam e das alucinações pós-traumáticas…

O corpo do defunto Bigwana poderia sugerir, para quem o visse passar, que ele era um indivíduo associado ao pugilismo. Isto é, aquele físico era o mais apropriado, o melhor talhado para aquele género de modalidade desportiva. Alto, espadaúdo, com os braços longos e musculosos, e umas queixadas taurinas outra coisa não poderia ser senão […]