O País – A verdade como notícia

Stélio: uma vida com o atletismo nas veias

Fez de tudo um pouco no atletismo. Nos tempos áureos da modalidade, dominou por completo o salto em comprimento e o triplo, competindo, sempre com lugar no pódio nas corridas de velocidade.

Quando a idade começou a pesar, não deixou de ser um assíduo participante da modalidade da sua vida, já na qualidade de treinador e dirigente. Stélio Craveirinha partiu, mas se o seu legado for valorizado pela juventude, muito terá o país a ganhar.

A ligação a Lurdes Mutola, por influência do seu pai, o saudoso poeta José Craveirinha, é a sua acção mais mediatizada e que permitiu que todos nós tivéssemos podido, ao longo de vários anos “usufruir” dos sucessos da Menina de Ouro, que culminaram com o inesquecível triunfo nos Jogos Olímpicos de Sidney.

Ainda como treinador, da acção de Stélio brotou Argentina da Glória, seguramente a número dois desta modalidade no país e nos PALOP’s. Enumerar todos os outros atletas que “saíram das suas mãos”, como foram os casos de Elisa Cossa e Fatimita, entre femininos e masculinos, não seria fácil.

Daí, a questão: que Stélio Craveirinha deve ser destacado em primeiro lugar?

O atleta de eleição, o técnico devotado, ou o dirigente presente na vida dos seus atletas, sempre com o Desportivo no coração?
Que responda quem souber!

 SEM STÉLIO TERÍAMOS MUTOLA?

É por demais conhecida a estória do “desvio” de Lurdes, do futebol para o atletismo, cujo mérito principal se ficou a dever ao poeta-mór Craveirinha. Mas…

-Esta menina que me trouxeste, é ouro, pai! Logo nos primeiros treinos, obteve marcas que não estão ao alcance de qualquer uma!

Foi a partir desta constatação feita por Stélio, então treinador do Desportivo, que surgiu por parte do pai, a insistência para que Mutola optasse e apostasse no atletismo. A partir daí, ela participou em maratonas locais, colocando-se muitas vezes à frente de atletas masculinos. Depois ganhou algumas provas na nossa Zona.

Sempre com Stélio a orientar, foi à Olimpíada de Seul, em 1988, ainda sem grande notoriedade. Seguiu-se o desafio norte-americano, a partir do qual Lurdes venceu marcas e medos.

Stélio, com a paixão de sempre, abraçou outros projectos, na primeira linha dos quais surgiu uma outra estrela: Argentina da Glória. No Mundial de Estugarda, Alemanha, 1993, não fosse um tropeção desta e teríamos no pódio, para além do ouro de Mutola, uma outra medalha para o nosso país, tal era a forma e o momento da nova coqueluche nacional.

STÉLIO RECORDISTA

Nos anos 60, o técnico de atletismo do Desportivo, de nome Matos – o Tó – era super-exigente. Ele fazia questão de enfrentar o então Sporting de Luís Revés e Ferroviário de Vilela, impondo a qualidade, à quantidade. Assim, não raras vezes, com um número restrito de atletas como Eliseu Hunguana, Eduardo Costa, Cândido Coelho, Elias Simões e, claro… Stélio Craveirinha, acabava as competições com mais pontos, apresentando menos de metade dos atletas.

A especialidade dominada por Stélio, era o triplo salto, com marcas de fazer inveja aos actuais atletas. Mas era também sempre candidato ao pódio em todas as corridas de velocidade, com destaque para os 100 metros em que as estrelas (per)corriam, em pistas de cinza, a distância com marcas muito próximas dos 11 segundos. Mas o nosso personagem não se ficava por aí, pois tomava parte nas estafetas, tanto de curta como de média distância.

Registe-se que Stélio faleceu e um dos legados, é o de permanecer com ele, o recorde nacional da estafeta 4×100 metros, estabelecido no dia 11 Julho 1982, com a marca de 41.7 segundos. Tomaram parte neste feito Vicente Daniel, Leonardo Loforte e Constantino Reis.

AMOR PELO DESPORTIVO

Veio de família o amor pelo Desportivo, a sua segunda casa, onde até chegou a ser preparador físico da equipa de futebol. Exigente no trabalho, mesmo em tempos complicados do clube seu coração, por várias acompanhou os seus atletas, a pé, da baixa à zona alta onde morava.

Pouco propenso a entrevistas, com um temperamento não muito fácil, era no trabalho apaixonado pelo atletismo onde residia a maior parte da acção e dedicação da sua vida, que terminou aos 70 anos. Que descanse em paz, são os nossos votos!

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos