O País – A verdade como notícia

Sónia Sultuane apresenta “Arte que se veste” em Maputo

A colecção Light me, enlight me – arte que se veste, de Sónia Sultuane, será apresentada esta quinta-feira, no Business Lounge by Nedbank, em Maputo. Trata-se de uma forma diferente de pensar a arte.

 

Na condição de artista visual ou plástica, Sónia Sultuane resolveu começar a desenhar arte que se veste. Na verdade, o título da sua colecção, que será inaugurada às 16h30 desta quinta-feira, no Business Lounge by Nedbank, na Cidade de Maputo, é Light me, enlight me – arte que se veste.

Essencialmente, a proposta temática de Sónia Sultuane consiste em quebrar paradigmas, rompendo com qualquer eventual tendência de se manter dentro de uma caixa-de-ressonância. Assim, a artista recorreu a materiais completamente alternativos, como louça descartável, transformando-os em colares e utensílios de cozinha, por exemplo. Do mesmo modo, Sultuane pretende que a sua arte tenha um condão estético e utilitário, daí que algumas peças também assumam uma função decorativa.

Para a sua colecção Light me, enlight me – arte que se veste, Sónia Sultuane aproveitou objectos como maças de plásticos, usadas por muitas famílias moçambicanas na decoração de mesas de salas ou de cozinhas, para as transformar em colares. O grande objectivo é fazer com que os consumidores da sua arte passem a olhar para as coisas de outra forma. Por isso, a sua proposta de colecção funciona como trabalho para inspirar. “O que não quer dizer que sou a primeira pessoa no mundo a apresentar este tipo de projecto”. Pelo contrário, Sónia Sultuane reconheceu que ela própria se inspirou nos trabalhos que viu num museu na Grécia. Porque a combinação estético-utilitária que agora apresenta é ainda pouco explorada em Moçambique, cá está a artista a preencher uma espécie de vazio.

Quem for a visitar a mostra de Sónia Sultuane, no Business Lounge by Nedbank, na Cidade de Maputo, poderá apreciar colares feitos à base de colherinhas plásticas para sorvete e perceber que objectos corriqueiros, bem reutilizados, cumprem outras funções.

Em Light me, enlight me – arte que se veste, Sónia Sultuane desenvolve o que considera seus ensaios artísticos numa perspectiva mais inspiradora, questionando até onde a arte pode ir e que possibilidades proporciona aos artistas e a toda gente.

Light me, enlight me – arte que se veste pode ser visitada até 15 de Maio, de segunda a sexta-feira, entre 9 e 18 horas.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos