O País – A verdade como notícia

Sócios canarinhos agastados e exigem cabeça de Artur Faria

Os sócios e a direcção do Costa do Sol estão de costas voltadas! Os Sócios exigem saída imediata do director desportivo do clube, Artur Faria, que é acusado de vários desmandos desde a contratação dos jogadores sem o consentimento dos técnicos e sobrefacturação dos salários dos atletas. A novela só agora começou.

A crise está instalada no ninho do canário! A novela ainda agora começou, mas promete muitos capítulos até ao seu final. Sócios da colectividade canarinha não estão satisfeitos com o desenrolar dos acontecimentos e, contrariamente ao que a direcção pensa, eles têm um culpado: Artur Faria.

Esta segunda-feira, em pleno primeiro dia de treinos, o copo quebrou-se e entornou toda água.

Mas a história assim começa: dia normal de treino, tudo tranquilo: equipamento ajeitado no relvado, material do treino todo posicionado, jogadores começavam a chegar para o primeiro treino da semana, depois do empate diante do Ferroviário de Lichinga.

Seria o primeiro treino sem Artur Comboio, por isso os membros da direcção esmeravam-se de um ponto para o outro, procurando encontrar uma solução imediata para a falta de um timoneiro. O que não sabiam é que Artur Faria era o homem mais procurado da tarde.

Os exigentes e sempre difíceis sócios canarinhos de canto a canto iam girando e tomaram de assalto o campo esperando pelo homem do dia: Artur Faria. De tanto esperar, decidiram ir ao seu encontro, no seu gabinete de trabalho.

Encontrado o director desportivo, a guerra ficou declarada. E a demissão de Comboio foi a gota da água que fez transbordar o copo que andava cheio, segundo um dos sócios, que aos berros e apontando dedo a Artur Faria, disse: “No jogo diante do Desportivo Maputo, você chegou a dizer que Artur Comboio não podia ganhar o jogo, porque você tem um treinador que vem de Portugal, de Casa Pia, que vai dar cinco mil dólares”, começou por dizer antes de dizer que “conhecemos todos os seus podres nós!”, em jeito de ameaça.

Outra das questões que atormenta os sócios do clube é o contrato de Artur Faria, que consideram ser o homem que “manda e desmanda” sem o consentimento, até, da própria direcção. “Sabemos que o senhor tem um contrato indeterminado com o clube. Quem é você para ter um contrato indeterminado no clube?” questionava o referido sócio que não queria deixar Artur Faria tomar as suas actividades.

Outra sócia da colectividade presente na manifestação questiona as decisões de Artur Faria e da própria direcção: “por duas vezes tivemos reunião com o director desportivo e o presidente para questionar o que se está a passar no clube e disseram que em um mês teríamos a resposta e não tivemos essa resposta. Tivemos uma outra reunião com o presidente que prometeu dar-nos a resposta depois do jogo com a Black Bulls e mesmo assim nada disseram. Agora Artur Faria manda embora o Artur Comboio sem motivos. Agora queremos que ele mesmo vá embora!”, disse, visivelmente triste.

 

ARTUR FARIA, O HOMEM DAS COMISSÕES (?)

Aliás, os sócios falam de uma sucessão de desmandos perpetrados por Artur Faria, desde a contratação e afastamento de jogadores sem consentimento dos técnicos, as supostas comissões nos salários dos atletas e gestão danosa.

Um dos sócios, falando em tom de propriedade, apresentou os seus argumentos em relação ao que chamou de gestão danosa. “A Federação Moçambicana de Futebol aboliu o pagamento de luvas, aquilo que se chama de contratos. E o senhor está a dar contratos aos jogadores. Porquê?” questiona.

Mais além fala de desmandos no plantel. “Você se assume como treinador do Costa do Sol e trouxe o Elmo Kambindu aqui no clube. Quem faz as contratações afinal de contas?”, voltou a questionar sem sequer dar espaço para reacção ao Artur Faria.

Perante ao arrolado, os sócios dizem não haver muito a fazer e o que se tem de fazer é urgente, nomeadamente o afastamento do director desportivo da colectividade.

Faria é ainda acusado de ter sido quem influenciou a demissão de Artur Comboio, para além de ser o homem que coordena as actividades do clube, orientando a direcção para o que ele mesmo quer no clube.

 

“SÓCIOS DEVEM PROVAR AS ACUSAÇÕES”, DEFENDE-SE FARIA

 Entretanto, a meio aos impropérios da massa associativa canarinha, Artur Faria ouviu e registou todas acusações, mas diz não saber do que se trata. E mais, desafia os sócios a provarem tudo o que disseram.

Já com a imprensa presente no local, o director desportivo do Costa do Sol começou por dizer que “as coisas devem ser clarificadas e comprovadas”.

As vozes acusadoras foram de muitos sócios, representados por 21, mas uma e apenas uma é que pode decidir. Ou seja, Artur Faria diz que a única voz que pode decidir é a sua. “A voz que manda é minha e não é voz de mais ninguém. Eu não trabalho por influência, não trabalho por gritaria, eu trabalho por consciência e a minha voz será sempre a voz que manda”, disse, seguro de si.

Enquanto Artur Faria se mostra confiante, a novela continua, porque os sócios prometem outro capítulo, no qual vão solicitar reunião com os patrocinadores do clube e auditoria porque tem conhecimento de que há no Matchiki Tchiki desvio de fundos. Até porque, segundo os próprios, o próximo será Jeremias da Costa, considerado cúmplice de Artur Faria.

A novela só agora começou, mas promete ter muitos capítulos até ao seu final.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos