O País – A verdade como notícia

Sociedade Civil quer mapear conflitos em zonas de exploração de recursos naturais

Com o objectivo de compreender as causas de conflitos nas regiões de exploração dos recursos naturais no país, algumas organizações da sociedade civil lançaram, esta quarta-feira, em Maputo, o projecto “Por uma Sociedade Inclusiva e Pacífica em Moçambique (TIPS)”.

Fazem parte do porjecto o Consórcio de parceiros Finn Church Aid (FCA), Instituto para a Democracia Multipartidária (IMD), Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE), Conselho das Religiões em Moçambique (COREM) e Faith Associate.

No evento, foi, igualmente, feita a apresentação das linhas da pesquisa de base sobre as percepções locais da dinâmica dos conflitos, possíveis soluções e mapeamento dos actores da construção da paz nas regiões de maior ocorrência de exploração dos recursos naturais, a ser realizada pelo IESE, conforme explicou o director daquela institiuição de pesquisa, Sérgio Chichava.

O projecto tem, como principal objectivo, contribuir para a prevenção de conflitos, preparação e resposta a crises e construção da paz, através da governação e gestão inclusiva dos recursos naturais em Moçambique.

“A pesquisa vai permitir o mapeamento das áreas de conflito, as suas causas, bem como propostas de soluções, tais como, a aplicação da percentagem de 2,5% das receitas derivadas da exploração dos recursos naturais, em benefício das comunidades locais”, explicou o Director executivo do IMD, Hermenegildo Munlhovo.

Especificamente, a acção dos parceiros implementadores visa fortalecer a liderança e capacidades dos actores da sociedade civil para prevenir e abordar os conflitos gerados pela exploração de recursos naturais, por meio do diálogo e do engajamento de múltiplas partes interessadas a vários níveis.

Espera-se que este projecto contribua para uma maior colaboração e aprendizagem entre comunidades, organizações da sociedade civil (OSCs), autoridades nacionais e provinciais e sector privado na resolução de conflitos, gestão de recursos naturais, para além de uma participação das OSCs nos processos de desenvolvimento em Moçambique.

Com a duração de três anos (2021-2023), o projecto TIPS é financiado pela União Europeia e será implementado nas províncias de Inhambane, Sofala, Tete, Niassa e Cabo Delgado.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos