O País – A verdade como notícia

Sitiados no Buzi transferidos para Beira

Várias pessoas que desde o passado domingo estavam sitiadas no distrito do Búzi, e em cima dos tectos e árvores, chegaram ao longo do dia de hoje, na Beira, por via marítima, uns por meios próprios e outros socorridos pelo INGC por meios aéreos e marítimos.

Inês Tiago, de oito anos de idade, quando se encontrava ainda na primeira tenda, reservada para os primeiros socorros, em contacto com a nossa Reportagem e chorando, afirmou que ela e o resto da família, dois irmãos e os pais, foram apanhados de surpresa pela subida do caudal do Buzi, cerca das 21 horas do passado domingo.

“Corremos para a administração. Havia muita gente e fiquei separada da minha família. Não sei qual foi a sorte deles”. Chorando, Inês acrescentou que o nível das águas continuou a subir de forma brusca e agressiva. “Uns correram para o topo das árvores e outros para tecto das casas como foi o meu caso. Ficamos assim desde domingo até chegar a ajuda hoje”.

A operação de resgate está a ser dificultada por via marítima, porque grande parte dos barcos de pequeno porte, barcos esses que estão  a ser usados para transportar as vítimas da vila sede até ao mar, onde depois as vítimas são transferidas para navios da marinha de guerra, foram danificados pelo ciclone Idai.

A marinha de guerra indiana  está posicionada no porto da Beira há três dias e está envolvida nas operações de resgate. Espera-se que ao longo do dia de hoje, mais pessoas sejam retiradas da vila sede do Búzi.

A comunidade marítima liderada pela Cornelder pediu mais solidariedade.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos