O País – A verdade como notícia

Ser membro do Conselho de Segurança da ONU dará maior visibilidade ao país, diz Nyusi

Foto: O País

O estadista moçambicano, Filipe Nyusi, fez ontem o lançamento da campanha para a candidatura de Moçambique a membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Filipe Nyusi diz que a participação do país neste órgão vai garantir maior visibilidade no mundo como amante da paz e da prosperidade dos povos.

Caso Moçambique seja eleito para o cargo de membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas estará lado a lado com 14 países que integram o órgão, dos quais os permanentes são China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússia.

A eleição para membro não permanente acontece em Junho de 2022 e o ganho em ocupar este cargo é bem claro para o estadista moçambicano.

“Constitui a consagração do papel da diplomacia moçambicana, cuja a trajectória, entre glórias e solavancos, logrou ao longo dos tempos tornar Moçambique mais visível na arena internacional como um país amante da paz e defensor da prosperidade dos povos”, diz Filipe Nyusi.

Aliás, a importância deste órgão para o Estado moçambicano esteve sempre notável nos acordos de paz.

“Tomamos esta decisão pela primeira vez na história de Moçambique como um Estado independente e soberano. Fazemo-lo porque o nosso país sempre atribuiu uma importância especial a esta organização universal pelo papel que tem desempenhado desde o período da nossa luta de libertação ao presente”

Caso seja eleito, Moçambique terá um mandato de dois anos, isto é, a partir de 1 de Janeiro de 2023 a 31 de Dezembro de 2024.

A corrida ao órgão acontece, entretanto, numa altura em que o país debate-se com o terrorismo em Cabo Delgado. Para o antigo Presidente da República, Joaquim Chissano, a luta contra este mal global revela que o país merece estar no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

“O esforço que está a ser feito contra o terrorismo não só em Moçambique, é contra o terrorismo como fenómeno internacional. É por isso mesmo que Moçambique merece estar no Conselho de Segurança”, diz Chissano.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos