O País – A verdade como notícia

Saúde intensifica medidas de prevenção a doenças em Maputo

Na época de chuva, vários bairros da capital moçambicana e não só ficam alagados. Sistemas de canalização e esgotos não permitem o rápido escoamento de águas e onde não existem a imundície agrava-se. Consequentemente, aumenta o risco de doenças infecto-contagiosas. Assim, as autoridades de saúde apelam para que se redobre a prevenção no sentido de evitar, eventualmente, a eclosão de diarreias, cólera e malária.

A chuva tem caído em Maputo inquieta os moradores, sobretudo da periferia, que diariamente estão expostos a um saneamento do meio precário.

No bairro da Mafalala, por exemplo, as valas de drenagem estão num estado deplorável, águas turvas, nauseabundas e muito lixo. A população receia o surgimento de doenças devido à situação a que está exposta.

“No passado tivemos muitos casos de diarreia, cólera e malária. Tudo isso por causa destas valas de drenagem [não cuidadas] e lixo”, desabafou Helena Sitoe, residente na Mafalala.

António Simbine, outro habitante daquele bairro, explicou que se tem feito limpeza aos fins-de-semana, incluindo nas valas de drenagem. Mas as autoridades municipais não colaboram porque não alocam um tractor para recolher o lixo. “Com a chuva, os resíduos sólidos voltam para as valas”.

Os distritos municipais KaLhamanculo, KaMubukuana e KaMavota, em Maputo, são tidos como os mais propensos a doenças causadas pela falta ou deficiente higiene no período chuvoso. Por isso, há acções constantes com vista a evitar enfermidades.

“Neste momento, estamos a fazer um trabalho multissectorial de prevenção envolvendo o sector da saúde, a Direcção da Água e o INGC. Para já, estamos a monitorar os casos de diarreia, fazemos palestras e visitas porta a porta, avaliando a qualidade da água que a população consome e transmitimos mensagens sobre como cuidar da água e higiene pessoal”, explicou a chefe do Departamento da Saúde Pública na Direcção da Saúde da Cidade de Maputo, Bélia Xirinda.

De acordo com a fonte, a cólera e a malária estão controladas desde 2017. Mas persiste a preocupação e o receio de surto de diarreias por causa da chuvosa. A enfermidade afectou 32 mil pessoas, de 2018 para 2019. No período anterior, 29 mil ficaram doentes.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos