O País – A verdade como notícia

SADC inicia hoje operações militares em Cabo Delgado

A Força em Estado de Alerta da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral entra em acção a partir de hoje no Teatro Operacional Norte, que compreende os distritos a norte da província de Cabo Delgado, e que há quase quatro anos sofrem ataques de milícias jihadistas, que localmente são conhecidos como Al Shabaab.

O arranque das operações vai ser antecedido por uma cerimónia que será dirigida pelo Presidente da República e em Exercício na SADC, Filipe Nyusi, mas também pelo Presidente do Botswana, Mokgoeetsi Masisi que preside a Troika do Órgão da SADC para a cooperação nas áreas de Defesa e Segurança.

O dirigente tswana chegou a meio da tarde de ontem a Pemba e foi recebido pelo seu anfitrião, Filipe Nyusi que se encontra em Cabo Delgado desde o último Sábado onde tem estado a acompanhar as operações das Forças de Defesa e Segurança, bem como os últimos preparativos para a entrada em acção da força conjunta da SADC.

A Força da SADC é composta por militares da África do Sul, Botswana, Tanzânia, Angola, Lesotho que se juntam às Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e também ruandesas que há quase um mês combatem os vulgarmente conhecidos como Al Shabaab. A mesma é liderada pela África do Sul que disponibilizou quase 1500 militares de diversas especialidade e equipamento militar, no entanto, a missão da SADC, que para além da componente militar tem em vista acções humanitárias é liderada pelo Botswana através de um representante do Presidente da Troika do Órgão de Cooperação para as áreas de Defesa e Segurança.

As duas lideranças da missão tiveram uma reunião com o presidente Filipe Nyusi, tendo no final o chefe da Missão, Mpho Molomo falado à imprensa “não há desenvolvimento se não há paz, é por isso que a nossa intenção ao estar aqui em Moçambique é para assistirmos as FADM a restaurar a paz e estabilidade. Na minha língua dizemos que quando a casa do vizinho está em chamas a nossa casa também está a arder e estamos aqui para apoiar Moçambique a debelar essas chamas”, disse.

Na ocasião, Molomo recusou-se a dar detalhes sobre como a Força Conjunta está estruturada e muito menos comentar os avanços das forças ruandesas e moçambicanas que conseguiram retomar o controlo da vila municipal de Mocímboa da Praia ontem. Ressaltando que a missão militar da SADC contempla especialidades de forças terrestres, navais, aéreas, inteligência, logística, entre outras.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos