O País – A verdade como notícia

Risco da conjuntura pressiona subida de preços no país

A Área de Estudos Económicos do Millennium Bim antevê uma subida geral de preços no último trimestre deste ano, em Moçambique, devido ao agravamento de choques internos e externos.
Na componente externa, os economistas deste banco comercial apontam os efeitos da xenofobia que se regista na vizinha África do Sul, afectando os sectores de transporte e comércio.

Incertezas no mercado petrolífero, aliada a restrições da produção global, escalada de tensões entre as principais economias e a elevada dívida interna, são outros factores que poderão ditar o agravamento do custo de vida em Moçambique.
“Não obstante as condições económicas favorecerem a projecção da inflação em torno de um dígito, antevemos uma postura prudente na condução da política monetária”, refere a Área de Estudos Económicos do Millennium Bim, na sua mais recente nota sobre a conjuntura económica.

Em Agosto passado, o nível geral de preços registou uma aceleração mensal de 0,11%, contrariando a trajectória de deflação (queda de preços) observada nos dois meses anteriores.
No período em análise, a cidade da Beira foi a mais cara do país, ao registar um agravamento de custo de vida na ordem de 3,98%, seguida de Nampula e Maputo com 3,55% e 0,62%, respectivamente.
O aumento de preços na Beira, deveu-se, essencialmente, aos efeitos devastadores do ciclone Idai, que limitaram a oferta dos bens primários para atender as necessidades de consumo interno.

ALERTA ÀS EMPRESAS
Em linha com a avaliação da conjuntura, o Millennium Bim alertou durante o Economic Briefing, realizado semana passada, em Maputo, para o facto de “as empresas terem dificuldades em apresentar informação financeira adequada”.
Sobre o mercado cambial, os economistas desta instituição financeira referem que a divisa moçambicana, o Metical, tem observado menor volatilidade, em parte devido aos efeitos de medidas regulatórias e fluxo de ajudas humanitárias para apoiar o processo de reconstrução de infra-estruturas nas regiões afectadas pelos ciclones, prevendo-se que a moeda nacional se mantenha relativamente estável até final do ano.
Este banco conta uma vasta rede de balcões, mais de 300 agentes bancários e uma das maiores redes de ATM e POS, e com o contributo dos seus 2.500 colaboradores que servem mais de 1.8 milhão de clientes.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos