O País – A verdade como notícia

Registadas 277 uniões prematuras este ano em Moçambique

Foto: O País

Pelo menos 277 casos de uniões prematuras foram registados nos últimos nove meses no país, um aumento de 101 casos se comparado com igual período do ano passado. A informação foi avançada pelo Ministério do Interior e o do Género e Criança e Acção Social que apelam para que haja mais denúncias.

Apesar de o país possuir a Lei de Prevenção e Combate às Uniões Prematuras, número 19/2019, de 22 de Outubro, o fenómeno continua a inquietar a sociedade moçambicana.

Os números falam por si e o Comando-Geral da Polícia da República aponta as províncias de Tete, Gaza e Manica com a maioria dos números nos últimos nove meses.

Segundo Tonecas Manhiça, do Departamento de Família e Menores Vítimas de Violência no Comando-Geral da Polícia da República, os casos de casamentos prematuros registados este ano podem ser também de comunidades onde ainda não havia serviços de atendimento à família e menores vítimas de violência.

“Há lugares onde ainda não havia serviços de atendimento a situações de casamentos prematuros. Estes novos casos podem ter sido, na sua maioria, reportados nestes novos centros de resolução deste tipo de problemas”, disse Tonecas Manhiça.

Segundo disse Manhiça, a omissão dos casos, a pobreza e a conivência familiar estão entre os factores que propiciam os casamentos prematuros, pelo que são necessárias as acções coordenadas para o combate ao fenómeno.

Para o Ministério do Género, Criança e Acção Social, os casos reportados resultam de queixas e, por isso, as autoridades apelam para que as vítimas continuem a denunciar.

“Estes números são resultado de denúncias. Um dos nossos objectivos é que as vítimas se aproximem cada vez mais das autoridades para participarem sobre a ocorrência de uniões prematuras”, sublinhou Angélica Magaia, representante do Ministério de Género, Criança e Acção Social.

Por seu turno, a sociedade civil diz que a Lei de Prevenção e Combate às Uniões Prematuras deve reflectir-se em acções concretas.

“Ainda é prematuro avaliar a eficiência da Lei, porquanto foi aprovada muito recentemente. O mais importante é que haja acções contra o mal”, disse Salomé Mimbir, gestora de Projectos no Fórum da Sociedade Civil para os Direitos da Criança.

Estas informações foram partilhadas na quarta-feira, durante o lançamento do movimento EU Mais, uma iniciativa de divulgação massiva da Lei de Prevenção e Combate às Uniões Prematuras.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos