O País – A verdade como notícia

Recuperados mais de três mil hectares de mangal em cinco anos

Foto: O País

A população junto às zonas costeiras ainda destrói o mangal para sobreviver, o que provoca erosão e desaparecimento de espécies marinhas. Para mitigar a situação, o Governo assinou, esta terça-feira, um memorando de entendimento para o reflorestamento do mangal em todo o país. 

O país deve concluir, até ao fim deste ano, o replantio de cinco mil hectares de mangal destruídos, quer por força humana quer por efeitos de mudanças climáticas. Até agora, já foram repostos pelo menos 3800 hectares.

Para além do reflorestamento do ecossistema marinho, Jorge Mafuca, director-geral do Instituto Nacional de Investigação Pesqueira, disse que o Governo está à procura de novas formas de sobrevivência das populações localizadas nas zonas costeiras, que abatem o mangal para o seu sustento.

Segundo Mafuca, estas fontes alternativas poderão levar algum tempo para que sejam identificadas e implementadas, uma vez que é preciso fazer um inquérito para aferir as necessidades e possíveis novas formas de sobrevivência da população de uma determinada área costeira.

“Uma das actividades é ir a comunidades para ouvir as pessoas o que elas podem fazer como alternativa do abate dos mangais. Para tal, será necessário fazer um inquérito junto da população que vive nas zonas em risco”, explicou Jorge Mafuca.

A propósito, o dirigente apontou, por exemplo, que dos trabalhos já feitos em alguns distritos, na província de Nampula, concluiu-se que algumas zonas costeiras têm o potencial de produzir o mel através do mangal e a esperança é que outras áreas apresentem potencialidades capazes de tornar este ecossistema sustentável e fora dos riscos de destruição.

“Algumas comunidades preferiram apostar na criação de gado, captura e conservação do pescado para posterior venda e isso vai implicar na melhoria da renda das famílias”, disse.

Falando da estratégia nacional de reflorestamento do mangal que está a ser implementado desde 2017 com o término neste ano, Jorge Mafuca aponta as províncias de Sofala e Zambézia como as que mais apresentam problemas para o replantio das áreas marinhas.

Segundo disse, as províncias pecam por destruir mais o ecossistema, situação que choca com os esforços do replantio do mangal. Entretanto, Jorge Mafuca garantiu que a meta poderá ser cumprida.

As informações foram partilhadas, esta terça-feira, na cerimónia de assinatura do acordo de parceria entre o Ministério do Mar, Águas Interiores e Pescas e a Blue Forest, uma organização estrangeira especializada no reflorestamento de mangais.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos