O País – A verdade como notícia

Receitas no turismo reduziram mais de 90% devido à COVID-19

Moçambique perdeu 90% das receitas no sector do turismo nos últimos meses devido à COVID-19. A pandemia não só originou o encerramento de várias estâncias turísticas, como também causou perda de postos de emprego. A informação foi avançada hoje, no distrito de Matutuine, província de Maputo, durante as cerimónias alusivas a celebração do Dia Mundial do Turismo.

Dados da organização Mundial do turismo apontam que, por causa da COVID-19, este ano poderá haver uma queda da actividade turística em todo mundo na ordem de 20 a 30%, o que vai provocar uma quebra no volume de negócios em torno de 300 a 450 mil milhões de dólares. Moçambique faz parte desta situação, devido ao novo Coronavírus.

O primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário, disse que o turismo nacional encolheu por conta do encerramento das fronteiras.

O facto, segundo o governante, “originou a diminuição acentuada do movimento de turistas”, uma vez que o funcionamento dos estabelecimentos turísticos estava condicionado.

A COVID-19 “causou a diminuição de receitas do sector em mais de 90%, assim como a perda de centenas de postos de trabalho por parte dos nossos compatriotas”, explicou Carlos Agostinho do Rosário.

Para dinamizar cada vez mais o sector do turismo, várias acções estão a ser tomadas pelo Executivo, de acordo com o primeiro-ministro, que falava este domingo, em representação do Presidente da República, nas celebrações do Dia Mundial do Turismo.

“Na nossa acção governativa temos vindo a implementar várias medidas visando assegurar o desenvolvimento do turismo sustentável no nosso país, apostando, para além do turismo de sol e praia, na valorização das áreas de conservação, no geral, e, em especial, das áreas de conservação transfronteiriça”, disse Carlos Agostinho do Rosário.

O turismo é “uma das áreas vitais da nossa economia”, salientou Carlos Agostinho, acrescentando que sobre esta matéria “temos vindo a implementar várias medidas e acções de facilitação turística. A título de exemplo, iremos introduzir o visto electrónico que irá facilitar a entrada de turistas no nosso país, assim como a promoção de pacotes turísticos para impulsionar o turismo doméstico”.

O sector privado que actua na área do turismo em Moçambique, representado no evento pela Associação das Agências de Viagem e Turismo de Moçambique (AVITUM), olha para a retoma da economia com optimismo.

Noor Momade, presidente da AVITUM, considerou que “o Dia Mundial do Turismo” , hoje assinalado, “impõe-nos uma reflexão profunda, sobretudo neste momento que observamos o novo normal”.

“PRECISAMOS DE APRENDER A CONVIVER COM” A COVID-19 COM “RESPONSABILIDADE”

“Apesar de todos dos desafios, apraz notarmos os esforços do nosso Governo para reduzir o impacto da COVID-19 nas pequenas e medias empresas. A COVID-19 veio para ficar e precisamos de aprender a conviver com ela com responsabilidade”, disse a fonte, ajuntando que se deve apostar no “turismo virado para o desenvolvimento rural” e é “possível usufruir de produtos de alta qualidade turística”.

Noor Momade destacou que, “neste momento a nossa prioridade” é cumprir as medidas de prevenção da doença para evitar um “eventual contágio”.

Este ano, as celebrações do Dia Mundial do Turismo decorreram sob o lema “Turismo e desenvolvimento rural”. As cerimónias centrais tiveram lugar na Reserva Especial de Maputo.

DIAS MELHORES VIRÃO PARA OS FAZEDORES DE ARTES E CULTURA

Os fazedores de artes e cultura no distrito de Matutuine consideram que o ano 2020 está a ser negativo para as suas actividades, por causa da retracção do turismo.

A ministra da Cultura e Turismo, Eldevina Materula, disse que com a retoma da economia há esperança para melhores oportunidades.

Debaixo de chuva ligeira, na Reserva Especial de Maputo houve exposição artística numa pequena feira, na qual artesãos, artistas plásticos e dançarinos mostraram a vitalidade da arte.

Segundo Júlio Tembe, artesão da Ponta d’Ouro, “está a ser difícil viver por estes dias. Já não há turistas e ninguém compra as obras [de arte]. Mas vamos aguentar, vimos situações de colegas que perderam a esperança e estão noutras actividades”.

A ministra da Cultura e Turismo referiu que é preciso manter a esperança porque dias melhores virão para os fazedores de artes e cultura de todo país.

A secretária de Estado na província de Maputo, Vitoria Diogo, também esteve na celebração do Dia Mundial do Turismo e destacou as potencialidades turísticas da província de Maputo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos