O País – A verdade como notícia

Ramaphosa compara violência contra imigrantes ao apartheid

O Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, comparou a violência infligida sobre estrangeiros por grupos anti-imigrantes às estratégias usadas pelo regime do apartheid.

Ao longo da semana passada, houve demonstrações de ressentimento contra os imigrantes ilegais oriundos de países vizinhos em várias cidades sul-africanas.

São comuns os incidentes violentos, tendo-se registado o linchamento e imolação de um jovem do Zimbabué por parte de uma multidão enraivecida na vila de Diepsloot, a norte de Joanesburgo, escreve o Notícias ao Minuto.

“Vimos pessoas interpeladas na rua por simples cidadãos e forçadas a mostrar os seus documentos de identidade para justificar o seu estatuto”, disse o Presidente Ramaphosa, na sua nota de imprensa semanal. “Era assim que operavam os opressores do apartheid”, recorda o estadista.

A nota de imprensa prossegue descrevendo como os negros eram suspeitos por definição e detidos pela polícia quando se encontravam em zonas ditas “brancas”, sendo obrigados a mostrar um documento que comprovava a sua livre circulação (‘dompas’), cuja ausência significava prisão.

“Não podemos deixar estas injustiças reproduzirem-se”, referiu o Presidente, invocando a morte trágica de sete sul-africanos em Diepsloot, motivo da vaga de manifestações.

Ramaphosa avisou: “hoje, a nossa raiva é dirigida contra os cidadãos do Zimbábue, Moçambique, Nigéria ou Paquistão. Amanhã, a nossa raiva pode ser dirigida a nós mesmo”.

Segundo o Presidente, atacar suspeitos de um crime só porque são estrangeiros é imoral, racista e criminoso.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos