O País – A verdade como notícia

Querem mais o quê? Ussaca não vos deve algo!

Foto: O País

Após conquistar o torneio regional COSAFA, o seleccionador nacional de futebol de praia, Abineiro Ussaca, diz estar a viver um momento especial e único em sua vida. Dito de outra maneira, sente-se, até aqui, um homem realizado.

Um ano de sonho para Abineiro Ussaca. É, por isso, um homem feliz. Não é para menos. Num ano desportivamente atípico, ele conseguiu fazer ecoar o hino nacional no concerto das nações e colocar ainda a bandeira nacional a reluzir no meio de tantas outras. Poderá, por essas alturas, Abineiro Ussaca estar a dormir o sono dos justos. E, para tal, nem precisa de duas rodelas de pepino nos olhos.

A conquista da COSAFA viria a ser a cereja no topo do bolo. O foco, consubstanciado com o trabalho árduo, foi elemento-chave para o sucesso. Mas, há mais, Ussaca selou também a presença inédita no Campeonato Africano de Futebol de Praia e no Mundial, por sinal, as duas maiores montras da modalidade. Por lá, espalhou a fragrância do talento moçambicano e também deixou uma mensagem ao mundo: vale a pena sonhar.

“É o primeiro título que eu conquisto além-fronteiras. Significa muita coisa em minha vida e, por isso mesmo, algo muito especial para mim”, diz Abineiro Ussaca. Na hora de colher os louros, o jovem treinador, que por uma tonelada de motivos é o abono de família do futebol de praia moçambicano, explica que a conquista só foi possível mercê ao envolvimento de todos, como é o caso dos jogadores, equipa técnica e a direcção da Federação Moçambicana de Futebol.

“É importante que cada qual faça a sua parte. E, quando é assim, o nosso trabalho fica facilitado”, explica. Abineiro Ussaca até poderia tocar o céu, até porque motivos tem de sobra. Mas, na hora de falar, a humildade rompe-lhe as cordas vocais.

“Não é um ganho só para mim, mas também para o para o país, pois as pessoas já têm uma nova imagem de Moçambique”, observa, ajuntando que, de uma maneira geral, os feitos do combinado nacional contribuem para o desenvolvimento do desporto no país.

 

DESFILAR ENTRE OS GRANDES

Em Maio passado, o país exultou com a qualificação inédita da selecção nacional de futebol de praia para o CAN, cuja fase final teve lugar em Senegal. Era, de facto, um momento de viragem da modalidade. Em Senegal, o combinado nacional terminou a prova na segunda posição, selando, desse modo, a presença no Mundial pela primeira vez. A bandeira do país saía do anonimato no contexto do futebol de praia em África.

“Foi um momento extraordinário para nós. Foi uma honra também estarmos entre as melhores selecções de África, como é o caso do Senegal, que é a melhor selecção de África na actualidade. Só quem lá esteve pode sentir o que nós sentimos”, diz Ussaca.

Mais do que embandeirar em arco, Abineiro Ussaca deixa um recado: “temos de aproveitar o momento de resultados positivos para que possam servir de incentivo e motivação para a divulgação da modalidade no país”. O repto não pára por aí. Para Ussaca, é necessário que o futebol de praia seja praticado em todo o território nacional, visto que, actualmente, apenas a cidade de Maputo movimenta a modalidade.

“Como desportista e como seleccionador nacional, tenho estado a interagir com algumas associações provinciais, com o departamento técnico da Federação Moçambicana de Futebol, bem como com várias pessoas ligadas ao desporto nacional”, sublinha Ussaca. Para Ussaca, é preciso que se faça um investimento sério no futebol de praia, de modo a permitir que a modalidade dê passos significativos. Justifica que Moçambique tem uma costa grande, daí que há condições para a prática da modalidade.

Moçambique irá acolher, no próximo ano, o CAN de futebol de praia. A Cidade de Vilankulo já começa a estar engalanada para acolher a prova e as delegações que se farão presentes. Sobre esta competição, Abineiro Ussaca garante que o combinado nacional estará na sua máxima força. Questionámo-lo sobre os objectivos. E a resposta não foi aquele cliché: “chegar a final e quiçá vencer a prova. Queremos, mais uma vez, ir ao mundial”, garante Ussaca.

Abineiro Ussaca começou a sua carreira no Vulcano FC como treinador de futebol 11, tendo entrado no futebol de praia em 2005. É seleccionador nacional de futebol de praia desde o ano passado. Como seleccionador, orientou também a selecção sénior feminina de futebol feminino.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos