O País – A verdade como notícia

Quelimane quer ser a Capital Africana do Desporto em 2023

Foto: O País

A cidade de Quelimane, capital da Zambézia, apresentou oficialmente a sua candidatura para ser a Capital Africana do Desporto em 2023, uma prova organizada pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para Ciência e Cultura). Segundo o presidente do Conselho Autárquico da cidade de Quelimane, Manuel de Araújo, o resultado será conhecido no segundo semestre deste ano.

Entretanto, a confirmar-se a aprovação de Quelimane para ser a sede africana do Desporto seria a primeira vez que uma cidade africana iria receber a prova. E para Manuel de Araújo, Quelimane quer ser a porta de entrada do evento internacional no continente africano.

“Nunca houve antes. Este é um movimento ligado à Unesco, que também abriga a questão do desporto”, esclareceu de Araújo a motivação para avançar com a candidatura de Quelimane para ser a Capital Africana do Desporto.

A iniciativa vai mobilizar todo o tecido desportivo da cidade e será uma oportunidade para pôr mais gente a praticar desporto, segundo argumento apresentado pelo presidente do município de Quelimane.

Manuel Araújo não esconde que há muito por se fazer naquela cidade caso seja a escolhida para ser a sede Africana do Desporto, daí que há necessidade de fazer mais investimentos. “Já estamos a nos preparar para isso e vamos montar a nossa vereação do desporto, exatamente nesse sentido. Não tenho dúvidas que seremos bons candidatos”, disse.

Manuel de Araújo está ciente de que há mais candidatos para acolher esta actividade, mas prefere continuar a elevar muito a fasquia, até porque o prestígio de ser a primeira vez que o evento escala África faz com que o presidente do Município de Quelimane olhe o céu como o limite.

“Eu sempre elevei a minha fasquia, portanto não vamos nos surpreender. Sempre tentei fazer o melhor, o impossível e, para mim, só há um limite, que é o céu”, frisou de Araújo.

Para acolher o evento desportivo da Unesco em 2023 podem candidatar-se todas as cidades africanas. Esta é uma iniciativa da UNESCO, que contempla todas as modalidades, quer amadoras, quer profissionais.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos