O País – A verdade como notícia

PRM investiga caso de tortura a garimpeiros

Vídeos captados por uma câmara amadora mostram elementos alegadamente da Unidade de Intervenção Rápida a torturar supostos garimpeiros. No vídeo, são visíveis actos de violência, de tortura e de humilhação a cerca de vinte garimpeiros. As imagens são chocantes.

Num dos vídeos, os supostos agentes da Unidade de intervenção Rápida batem em alguns garimpeiros com um pau e percebe-se que os golpes são fortes, visto que a vítima grita e pede que os agentes parem com a agressão. Percebe-se, na gravação, que os alegados agentes falam português e dão ordens de espancamento. Num outro vídeo, e num sinal de humilhação, os homens recebem ordens para pousar a cabeça no chão e entoar uma canção.

As imagens foram analisadas pela Polícia e, ontem, fizeram parte da agenda da reunião do Comando-Geral. O porta-voz da PRM, Inácio Dina, disse que a polícia iniciou uma investigação, para identificar os envolvidos nos actos de violência. “Os actos que se visualizam nestes vídeos são condenáveis. É visível a participação de supostamente alguns agentes da Unidade de Intervenção Rápida. O Comando-Geral fez a reflexão sobre este assunto e foi imediatamente instituído que deve haver uma investigação profunda sobre o caso”, afirmou o porta-voz da PRM.

Caso se confirme o envolvimento de agentes da polícia nos actos de tortura, a PRM irá instaurar um processo para a responsabilização dos seus agentes. “O importante neste momento é averiguar o lugar onde ocorreram os factos, a data, identificar os indivíduos envolvidos e as circunstâncias exactas em que todas as cenas aconteceram. Só com a identificação dos autores é que poderemos fazer a responsabilização desta acção”, disse Dina.

O porta-voz da PRM afirmou, ainda, que a polícia teve conhecimento destes actos de violência contra os garimpeiros através dos vídeos que circulam nas redes sociais, por isso, a PRM encoraja que os cidadãos continuem a denunciar todos os actos de violência e crimes, com o argumento de que a publicação de vídeos nas redes sociais ajuda na descoberta das infracções cometidas.

Ainda não se tem a localização exacta do lugar onde decorreram os actos de tortura, mas suspeita-se que tenham ocorrido numa mina de rubis em Namanhumbir, província de Cabo Delgado.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos