O País – A verdade como notícia

Preços registam ligeira redução de Junho para Julho

O país registou uma redução muito ligeira dos preços de bens e serviços ao longo do mês de Julho, comparativamente ao mês de Junho, indicam dados recolhidos nas cidades de Maputo, Beira e Nampula pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). 
Os preços caíram 0.50%, o que significa que o que custava mil meticais em Junho, passou a custar 995 meticais, uma redução de só 5 meticais. Os produtos alimentares e as bebidas não alcoólicas contribuíram mais na queda, ao baixarem 59 pontos percentuais.
O preço do tomate baixou 13,4%, isto é, o quilo que custava cerca de 85 meticais em Junho, passou a ser vendido a cerca de 73 meticais, disse à nossa equipa uma dona de casa que vive em Maputo.  
O preço do amendoim abrandou 9,9%, segundo dados recolhidos pelo INE. Outra dona de casa ouvida pelo nosso jornal, na Cidade de Maputo, confirma que houve redução. Diz que o amendoim de boa qualidade que custava 150 meticais em Junho, passou a ser vendido 120 meticais em Julho.
Segundo o INE, os veículos automóveis de segunda mão registaram uma queda de preços de 2.8%, o peixe carapau baixou 1,8%, o gás de cozinha ficou 14,2% mais barato, preço do óleo alimentar diminuiu 2,7% e da alface abrandou 11,0%. 
“Estes produtos contribuíram no total da inflação mensal com cerca de 0,53 pontos percentuais negativos”, lê-se na nota de imprensa do Instituto Nacional de Estatística.
Vida ficou mais cara no mês passado em relação a Julho de 2016
Embora os preços tenham reduzido um pouco de Junho para Julho deste ano, o custo de vida no mês passado foi muito mais alto relativamente a Julho de 2016. Dados do INE mostram que, em Julho deste ano, os preços subiram 16,17% comparativamente aos praticados em Julho de 2016.
Isto quer dizer que as famílias que gastavam cinco mil meticais para comprar um conjunto de produtos básicos em Julho de 2016, no mesmo mês do presente ano passou a despender 5 800 meticais para comprar a mesma quantidade daqueles bens.
“A divisão de vestuário e calçado foi, em termos homólogos, a de maior agravamento de preços com 22,88%”. As cidades de Nampula, Maputo e Beira registaram agravamentos nos respectivos níveis gerais de preços na ordem de 17,14%, 16,52% e 13,77%, respectivamente, informa o INE.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos