O País – A verdade como notícia

PR quer que Wiriyamu seja o pilar do desenvolvimento comunitário

O Presidente da República, Filipe Nyusi, afirmou, ontem, que o povoado de Wiriyamu, distrito de Changara, em Tete, onde ocorreu o massacre de cerca de 400 pessoas, entre mulheres, crianças e idosos, na tarde de 16 de Dezembro de 1972, pelas tropas do regime colonial português, deve ser pilar do desenvolvimento comunitário, informa AIM.

Fillipe Nyusi assim expressou-se por ocasião da homenagem aos perecidos, tanto de Wiriyamu, como dos povoados de Chawola e Juwau, na localidade de Muchenga, posto administrativo de Chioco. “Exortamos para que sejam envidados esforços para o resgate da história e façamos deste local pilar do desenvolvimento comunitário e que os mártires de Wiriyamu permaneçam sempre nos nossos corações”, sublinhou o Presidente, citado pela AIM.

Filipe Nyusi disse que o monumento requalificado erguido no povoado de Wiriyamu simboliza todos os outros massacres ocorridos em várias regiões de Moçambique, durante a luta de libertação nacional, como o de Mueda, em Cabo Delgado, Inhaminga, em Sofala, e Daque, em Tete.

Próximo ano, segundo o Presidente, será construído um centro de saúde com maternidade no povoado de Wiriyamu, o que vai aliviar a população, uma vez que os doentes percorrem mais de 25 quilómetros para a assistência clínica.

Antes do Presidente da República deixar o local, três sobreviventes do massacre de Wiriyamu fizeram depoimentos sobre de 16 de Dezembro de 1972.  

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos