O País – A verdade como notícia

PR partilha acções do país no fórum virtual do CCA sobre combate à COVID-19

O Presidente da República participou no fórum virtual de líderes Corporate Council on Africa (CCA), ontem, e partilhou o que Moçambique tem estado a fazer para responder ao impacto do novo Coronavírus. Filipe Nyusi disse que, apesar do aumento da COVID-19, os números “ainda são relativamente baixos”.

Filipe Nyusi disse que a pandemia da COVID-19 “ensinou-nos a saber o quão dependemos uns dos outros para estarmos seguros e juntos procurarmos uma cura através da investigação, teste e validação do tratamento”.

Em Moçambique, logo que os primeiros casos ocorreram, foi criada uma Comissão Ministerial Especial e um Comité Técnico-Científico para aconselhar ao Governo e assumir a liderança na resposta à pandemia, disse o Chefe de Estado, de acordo com um comunicado enviado ao “O País”.

“À medida que os casos aumentavam, declaramos o Estado de Emergência e instituímos o distanciamento social, tornamos obrigatório o uso de máscaras e as medidas de higiene, em muitos casos. Os números actuais de casos [788], apesar de estarem a aumentar, ainda são relativamente baixos”, afirmou e fez saber ainda que, devido à COVID-19, “as empresas não estão a funcionar em pleno e algumas encerraram”.

Os sectores de turismo e de transportes são os mais afectados. O desemprego aumentou, afectando, principalmente, os grupos mais vulneráveis na sociedade. Os motivos desta situação incluem o encerramento de fronteiras e o declínio do comércio internacional.

Entretanto, para mitigar a situação, o Governo tomou medidas fiscais e monetárias para apoiar as empresas, incluindo os bancos, refere a nota da Presidência da República, salientando que o FMI, o Banco Mundial e o Banco Africano de Desenvolvimento têm respondido aos apelos de assistência do Governo e “continuam a ser parceiros fundamentais nos nossos esforços de desenvolvimento”.

No encontro, no qual participou também a presidente e PCE do CCA, Florizelle Liser, o Chefe de Estado reiterou que Moçambique precisa de cerca de setecentos milhões de dólares norte-americanos para mitigar o impacto da COVID-19.

No encontro virtual, Nyusi falou igualmente da agricultura e do agro-processamento, bem como de infraestruturas como algumas áreas prioritárias para o desenvolvimento nacional.

Para que esses e demais sectores continuem a produzir “é nossa estratégia conduzir o combate à pandemia, abrindo a economia de modo a tornar sustentável a gestão da resposta à COVID-19”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos