O País – A verdade como notícia

População corre perigo de vida diariamente no rio chipaca

O rio chipaca tornou-se num verdadeiro corredor de morte em apenas um ano, desde que a ponte metálica foi deitada abaixo pela força da erosão, causada pela corrente das águas do rio.

O edil de Quelimane, Manuel de Araújo, diz que já reagiu a tragédia verificada, na última quinta-feira, e explicou que teria alertado as autoridades de estradas e pontes sobre o perigo que corre a população que faz a travessia diariamente no rio chipaca.

O edil fez saber que para a reposição de uma infraestrutura similar a que estava naquele rio, será necessário pouco acima de 10 milhões de dólares, oque segundo disse não existe capacidade ao nível local para fazer tal investimento.

"Mantivemos contacto com entidades internacionais e sempre que recebemos uma entidade diplomática ou financeira fazemos questão para verem o drama que a população passa no rio chipaca"

O edil diz que as autoridades devem considerar o rio chipaca como uma prioridade nacional dado o número de mortos causados pelos naufrágios. "A informação que nós tivemos do ex-embaixador do Japão em Moçambique quando levamos para lá pela primeira vez foi que o governo Japonês teria disponibilizado fundos para trabalhos daquela natureza mas que dependia apenas da sensibilidade do Governo central em considerar uma prioridade" disse de Araújo afirmando que "se há dinheiro do Japão como é que ainda não houve prioridade quando até a este momento já morreram mais de dez pessoas naquele rio".

Apesar de sucessivas tragédias na travessia do rio chipaca, centenas de populares continuam a correr risco de vida diariamente por se fazerem as embarcações sem uso de colete salva vidas. Sábado a nossa reportagem testemunhou mais um perigo que forçou a embarcação a recuar viagem com dez pessoas abordo e que tiveram de descer de emergência para evitar nova tragédia.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos